REUTERS/Las Vegas Sun/Steve Marcus
REUTERS/Las Vegas Sun/Steve Marcus

Secretário de Habitação dos EUA causa polêmica ao dizer que escravos também eram imigrantes

Centro Anne Frank criticou os comentários de Ben Carson e afirmou que eles são ‘trágicos, chocantes e inaceitáveis’

O Estado de S.Paulo

07 de março de 2017 | 08h26

WASHINGTON - O secretário de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA, Ben Carson - único negro no gabinete do presidente Donald Trump -, causou polêmica na segunda-feira ao afirmar que os escravos também eram imigrantes que tinham um "sonho" americano.

"Isto é os EUA: uma terra de sonhos e oportunidades", disse Carson durante um discurso diante de funcionários do Departamento de Habitação, no mesmo dia em que Trump assinou um novo decreto para proibir a entrada de imigrantes no país.

"Houve outros imigrantes que vieram para cá no fundo de navios negreiros, que inclusive trabalharam por mais tempo, mais duro e por menos", acrescentou. "Mas eles também tinham o sonho de que seus filhos, suas filhas, seus netos, suas netas, seus bisnetos, suas bisnetas, pudessem encontrar riqueza e felicidade nesta terra.”

"Imigrantes?", reagiu no Twitter a Associação Nacional para as Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês).

Os comentários de Carson são "trágicos, chocantes e inaceitáveis", afirmou o centro Anne Frank dos EUA, museu em memória da menina judia alemã que morreu em um campo de concentração nazista em 1945. "Não, senhor Carson, os escravos não emigraram para os EUA. Foram trazidos para cá violentamente, contra sua vontade, e viveram aqui privados de liberdade", acrescentou o centro.

Carson, neurocirurgião aposentado que foi rival de Trump nas eleições primárias do Partido Republicano, já fez declarações polêmicas no passado. Em 2013, ele afirmou que a reforma do sistema de saúde conhecida como Obamacare era "a pior coisa que havia acontecido ao país desde a escravidão". / AFP

Veja abaixo: Trump anuncia Ben Carson como secretário de Habitação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.