Secretário de Justiça de Obama renuncia ao cargo

Secretário de Justiça de Obama renuncia ao cargo

Eric Holder, mais liberal dos integrantes do gabinete, vai permanecer no governo até nomeação do sucessor

WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2014 | 02h04

O secretário de Justiça dos Estados Unidos, Eric Holder, renunciou ontem ao cargo, informou o presidente americano, Barack Obama. Holder permanecerá na chefia do Departamento de Justiça até a nomeação e confirmação de seu sucessor.

Holder, o primeiro negro americano a ocupar o cargo, já havia advertido que pretendia deixar o posto até o fim do ano. Ele foi a voz liberal de mais destaque no governo, especialmente no segundo mandato de Obama, ao liderar a luta pelo casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Após a morte de um adolescente negro desarmado, atingido por disparos de um policial branco em Ferguson, no Missouri, Holder ofereceu-se como voluntário para ir à cidade como emissário do governo.

Um funcionário de alto escalão da Casa Branca disse que o presidente ainda estava "longe" de anunciar um substituto para Holder.

Entre os nomes mencionados com maior frequência como possíveis candidatos ao cargo estão: Kathryn Ruemmler, ex-advogada da Casa Branca; o governador de Massachusetts, Deval Patrick; Donald B. Verrilli Jr.; a ex-governadora de Michigan Jennifer M. Granholm; o senador democrata Sheldon Whitehouse; e Loretta E. Lynch, procuradora do governo no Brooklyn.

O Departamento de Justiça disse que Holder concluiu seus planos para a renúncia durante conversa de uma hora com Obama na Casa Branca no feriado do Dia do Trabalho, celebrado nos EUA no primeiro fim de semana de setembro.

Holder foi promotor federal e juiz do Tribunal Superior em Washington, além de atuar como subsecretário de Justiça durante o mandato de Janet Reno.

Filho da era dos direitos civis, Holder foi marcado pelas imagens de violência na cidade de Selma, no Alabama. Participou dos protestos pacíficos na Universidade Columbia, onde os manifestantes rebatizaram uma sala em homenagem a Malcolm X.

Como secretário, Holder procurou mudar o que vê como desigualdades fundamentais do sistema de justiça criminal. Ele orientou os procuradores a deixar de solicitar sentenças longas para crimes menores, tentando eliminá-las para crimes não violentos envolvendo drogas.

Mas, em relação às liberdades civis, seu histórico é menos impressionante. Ele autorizou intimações contra jornalistas e aprovou os planos da CIA para a morte de Anwar al-Awlaki, cidadão americano que trabalhava para a Al-Qaeda no Iêmen.

Holder também concedeu à Agência de Segurança Nacional (NSA) autoridade para investigar os registros telefônicos de milhões de americanos que jamais foram acusados de nenhum crime.

Holder esteve entre os primeiros nomeados por Obama para integrar seu gabinete. Sua escolha foi anunciada no mesmo dia em que Hillary Clinton foi nomeada secretária de Estado. / NYT

Mais conteúdo sobre:
EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.