Secretário de Justiça promete despolitizar casos de tortura

Segundo Holder, diferenças políticas não devem ser levadas em conta

REUTERS E NYT, O Estadao de S.Paulo

24 de abril de 2009 | 00h00

O secretário de Justiça dos EUA, Eric Holder, disse ontem que não vai tolerar a criminalização de diferentes políticas referentes aos interrogatórios da CIA. Holder, porém, afirmou que continuará investigando se houve delito durante os interrogatórios de supostos terroristas por agentes de inteligência."Não permitirei a criminalização de diferentes políticas, mas como secretário de Justiça tenho a responsabilidade de fazer cumprir a lei", disse Holder em depoimento a uma comissão do Congresso. "Se encontrar algum crime, vou investigá-lo." Líderes democratas no Senado, entretanto, afirmaram que resistirão às tentativas de criar uma comissão para investigar a questão. Na semana passada, o presidente dos EUA, Barack Obama, divulgou documentos do governo de George W. Bush sobre as técnicas utilizadas durante interrogatórios após os atentados de 2001. Muitas das práticas foram consideradas tortura e entidades de direitos humanos estão pedindo uma extensa investigação sobre o caso. Obama já disse que os agentes que participaram dos interrogatórios e utilizaram como base os conselhos legais do governo não serão processados. No entanto, ainda existe a possibilidade de que funcionários do governo anterior que tenham colocado em prática os polêmicos métodos de interrogatório sejam processados. Alguns republicanos acusam Obama de querer processar apenas por diferenças políticas entre o governo atual e o anterior. O ex-vice-presidente Dick Cheney pediu a divulgação de outros documentos que provariam que as técnicas utilizadas nos interrogatórios foram úteis para extrair informações valiosas. Holder disse que está disposto a divulgar outros relatórios que tenham sido compilados por instituições ligadas ao Departamento de Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.