Secretário do Comércio argentino renuncia ao cargo

Um dos agentes mais controversos do governo da argentina, o secretário do Comércio Guillermo Moreno renunciou nesta terça-feira. A gestão de Moreno foi marcada por seu esforço para controlar os preços, limitar as importações, e por suas intimidações pessoais a empresários para que aderissem a políticas governamentais.

Agência Estado

20 de novembro de 2013 | 04h37

Ele vai deixar o escritório em duas semanas para se tornar um funcionário da embaixada da Argentina em Roma, informou o porta-voz da presidente Cristina Kirchner, Alfredo Scoccimarro. A notícia de sua renúncia aconteceu um dia depois da presidente argentina nomear um novo chefe de gabinete para o ministério da Economia e um novo presidente para o Banco Central.

Moreno foi um dos principais aplicadores das políticas de controle de preços do governo da Argentina, na tentativa de conter a inflação crescente do país. Seus esforços para limitar as importações e proteger a indústria nacional e as reservas internacionais levaram parceiros de negócios, inclusive os EUA, a processarem o governo argentino junto à Organização Mundial do Comércio.

Nos últimos anos, ele persuadiu, coagiu e mesmo intimidou executivos para que congelassem os preços ou parassem de importar e exportar alguns bens, de acordo com empresários que se encontraram com secretário. O gabinete de Moreno se recusa a comentar as alegações. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
ComércioRenúnciaMoreno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.