Orlando Barra/EFE
Orlando Barra/EFE

Secretário-geral da OEA reconhece vitória de Biden

Organização dos Estados Americanos disse que observadores não encontraram indícios de 'irregularidades graves' e pediram que os candidatos não levassem adiante 'especulações' infundadas

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2020 | 21h12

BRASÍLIA - O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, reconheceu a vitória do democrata Joe Biden, anunciado neste sábado, dia 7, como presidente eleito dos Estados Unidos pela imprensa do país, que consolida o resultado da votação.

“Parabéns a Joe Biden e Kamala Harris. Esperamos continuar a trabalhar em estreita colaboração com os Estados Unidos pela democracia, direitos humanos, desenvolvimento e segurança no hemisfério”, cumprimentou Almagro, pelo Twitter.

Como costuma ocorrer, uma missão da OEA com 28 especialistas e observadores de 13 países acompanhou a votação e apuração nos Estados Unidos. Num relatório preliminar, os analistas disseram que não encontraram indícios de “irregularidades graves” e pediram que os candidatos não levassem adiante “especulações” infundadas. O documento não cita o presidente Donald Trump, candidato republicano derrotado.

O chefe da OEA é acusado por políticos de esquerda na América Latina de servir como “marionete” de Trump, um termo pejorativo. Uruguaio, Luis Almagro foi advogado e diplomata, serviu como chanceler do governo de José Mujica no Uruguai e teve seu apoio para chegar na OEA, em 2015. Mas eles romperiam por causa de posicionamentos de Almagro no cargo.

Almagro alinhou a OEA à política externa de Washington, dominante no continente, e levou o organismo a se opor a governos de esquerda. Ele é um crítico dos regimes castrista em Cuba e chavista na Venezuela. Apesar disso, manifestou-se contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. Neste ano, Almagro foi reeleito e exerce o segundo mandato como secretário-geral da OEA até 2025.

Sob seu comando, a OEA compareceu a reuniões do Grupo de Lima, do qual Brasil e EUA fazem parte, criado para pressionar econômica e diplomaticamente pela renúncia do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. A organização diz que Maduro é ilegítimo, e reconhece como presidente encarregado o senador de oposição Juan Guaidó, que não governa de fato. O Grupo de Lima se enfraqueceu a partir de 2018, com vitórias eleitorais da esquerda no México e na Argentina, eixos do Grupo de Puebla, que agora deve ser reforçado com a Bolívia.

Além do regime chavista, a OEA envolveu-se no processo que emparedou o ex-presidente Evo Morales, na Bolívia. Um relatório de observadores da entidade citou indícios de fraude na eleição por voto impresso vencida por Evo no ano passado. O documento reforçou a ação de opositores de Evo e de militares que forçaram o boliviano, líder do partido Movimento ao Socialismo (MAS) a renunciar e deixar o país andino.

Quase um ano depois, o relatório da OEA foi contestado por acadêmicos independentes dos Estados Unidos, que viram erros de interpretação estatística sobre o funcionamento do sistema eleitoral boliviano. Neste domingo, dia 8, um aliado de Evo, o ex-ministro da Economia Luis Arce, toma posse em La Paz depois de também ter sido eleito em primeiro turno. Ainda na Argentina, de onde viajará de volta à Bolívia, Evo disse a uma TV que "se houve fraude Trump deveria procurar Almagro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.