Reuters
Reuters

Secretário-geral da ONU desafia EUA e Israel e confirma ida ao Irã

Ban Ki-moon participará de discussões sobre programa nuclear de Teerã, terrorismo, direitos humanos e crise síria

Reuters

22 de agosto de 2012 | 15h11

NAÇÕES UNIDAS - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, participará de um encontro dos líderes das nações em desenvolvimento não-alinhadas em Teerã na próxima semana, desafiando os pedidos dos Estados Unidos e de Israel para boicotar o evento, disseram um porta-voz da ONU e diplomatas nesta quarta-feira, 22.

Veja também:

link Chefe da AIEA não está 'muito otimista' sobre reunião com Irã

link Irã apresenta ao mundo nova geração de mísseis

O porta-voz da ONU Martin Nesirky afirmou aos repórteres que Ban estará em Teerã de 29 a 31 de agosto para uma reunião de cerca de 120 países não-alinhados, e para discussões bilaterais com importantes autoridades iranianas. "Com relação à República Islâmica do Irã, o secretário-geral vai usar a oportunidade para comunicar as preocupações e expectativas da comunidade internacional", disse ele. "Isso inclui o programa nuclear do Irã, terrorismo, direitos humanos e a crise na Síria."

Ban está "completamente ciente do tema delicado" relacionado a esta visita, mas ele também está consciente de suas responsabilidades à frente das Nações Unidas, segundo Nesirky. Várias outras fontes diplomáticas da ONU confirmaram a viagem de Ban. "É um bloco de nações muito importante", afirmou uma fonte diplomática à Reuters sob condição de anonimato. "Claro que o SG (secretário-geral) está indo. Ele não pode não ir."

Um diplomata do Conselho de Segurança disse ser importante o secretário-geral ir. Ele afirmou que Ban não deve virar as costas para todo o movimento não-alinhado porque um membro, o Irã, tem um presidente que duvida do Holocausto e questiona o direito de Israel de existir.

O Irã alega que seu programa nuclear é pacífico, embora potências ocidentais e seus aliados temam ser destinado à produção de armas nucleares. Ban deve levantar essa questão e os comentários anti-israelenses de seus líderes durante encontros bilaterais no Irã.

A cúpula de Teerã, da qual o presidente egípcio, Mohamed Morsi, também vai participar, acontece de domingo a sexta-feira. Morsi é o primeiro chefe de Estado egípcio a visitar Teerã desde a Revolução Islâmica de 1979.

No início deste mês, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pediu que Ban cancelasse seus planos de participar da cúpula dos não-alinhados em Teerã, segundo relatos da mídia israelense. A porta-voz do Departamento de Estado dos EUA Victoria Nuland deixou claro aos repórteres em Washington na semana passada que os Estados Unidos também gostariam que o chefe da ONU boicotasse o evento.

"O fato de a reunião acontecer em um país que está em violação de muitas de suas obrigações internacionais e representa uma ameaça para os vizinhos... envia um sinal muito estranho em relação ao apoio à ordem internacional, Estado de Direito, etc", afirmou Nuland. "Explicamos esse ponto para os países participantes", acrescentou ela. "Também explicamos esse ponto para o secretário-geral Ban Ki-moon."

Na semana passada, Ban criticou duramente o líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, e o presidente Mahmoud Ahmadinejad, descrevendo os mais recentes ataques verbais deles a Israel como "ofensivos e inflamatórios".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.