Secretário-geral da ONU reúne-se com premiê birmanês

Ban Ki-moon tenta convencer o governo de Mianmar a aceitar a ajuda humanitária internacional

EFE

22 de maio de 2008 | 06h18

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se reuniu nesta quinta-feira, 22, em Yangun com o primeiro-ministro birmanês, o general Thein Sein, e com outras autoridades para tentar convencer o governo de Mianmar (antiga Birmânia) a aceitar a ajuda humanitária internacional para as cerca de 2,5 milhões de vítimas do ciclone Nargis.   Veja também: ONU pede que Mianmar não veja ajuda como questão política Após destruição, birmaneses ainda têm de viver em meio aos cadáveres    Ban participou em sua chegada de uma reunião de aproximadamente 20 minutos com o primeiro-ministro em um luxuoso hotel na área residencial de Yangun, antiga capital birmanesa.   Depois visitou o pagode de Shwedagon, o coração espiritual de Yangun e um dos pontos de concentração dos grandes protestos antigovernamentais de setembro do ano passado.   "Estou convencido de que seremos capazes de superar a tragédia. Vim com uma mensagem de esperança. Espero que seu povo e governo possam coordenar o fluxo de ajuda e voluntários para que a assistência possa acontecer de uma maneira mais sistemática", disse Ban.   Em seguida, o Secretário-geral da ONU se transferiu à casa de hóspedes do governo, onde voltou se reunir com o general Thein Sein e com representantes de agências humanitárias durante uma hora e meia.   Ban, que havia dito que viajava a Mianmar para salvar vidas e não para fazer política, também falou com o ministro de Assuntos Exteriores birmanês, Nyan Win.   A tarde ele sobrevoará em um helicóptero a região devastada pelo ciclone, com mais de 77.738 mortos, 55.917 desaparecidos e cerca de 2,5 milhões de desabrigados, segundo dados ainda provisórios.   O ciclone Nargis, que atravessou o sul de Mianmar entre 2 e 3 de maio, deixou até o momento 77.738 mortos e 55.917 desaparecidos.

Tudo o que sabemos sobre:
Nargis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.