Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Secretário-geral da ONU visita Quênia e pede fim da violência

Ban Ki-moon, secretário-geral daOrganização das Nações Unidas (ONU), pediu aos quenianos, nasexta-feira, que coloquem fim à onda de violência iniciada ummês atrás e na qual morreram ao menos 850 pessoas. Ban, que está no país africano para dar apoio a esforçosdiplomáticos realizados com vistas a encerrar o conflito,reuniu-se com negociadores do presidente queniano, Mwai Kibaki,e de Raila Odinga, líder da oposição. Esses negociadores tentam chegar a um acordo para colocarfim à crise iniciada com a polêmica reeleição de Kibaki eresponsável por abalar um dos países mais estáveis docontinente. "O importante neste momento é garantir a paz e asegurança", disse o secretário-geral a repórteres. "É precisonão haver mais assassinatos." Mas, mesmo enquanto Ban dava essas declarações, a onda deviolência continuava a atingir áreas do oeste do Quênia, ondemembros de tribos rivais matam-se uns aos outros e realizamsaques. "Eu vi cerca de 20 casas queimadas e algumas lojas, além dedois policiais feridos por flechas", disse um jornalistaqueniano que visitou a área dos conflitos e que não quis tersua identidade revelada. "Ao menos dez pessoas de cada lado morreram", afirmou. Dirigentes que participam de uma cúpula da União Africana(UA) realizada na Etiópia defenderam a adoção de medidasurgentes. Ban saiu daquela cúpula para visitar o Quênia, ondetenta dar força ao processo de mediação capitaneado por seuantecessor na ONU, Kofi Annan. O Quênia viu-se tragado pela crise depois da reeleição deKibaki, no dia 27 de dezembro. "Vocês já sofreram perdas demais quanto à imagem do país eà economia. Vocês já perderam muitos turistas. Isso é umainfelicidade para um país que gozava de liberdade eestabilidade", afirmou Ban. Mais de 300 mil quenianos abandonaram suas casas em virtudeda violência. Odinga acusa Kibaki de ter fraudado as eleições. Já opresidente diz ser o líder legitimamente eleito do país.Observadores estrangeiros disseram que a contagem dos votos foicaótica, impossibilitando determinar quem venceu o pleito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.