Secretário-geral do Crescente Vermelho é morto a tiros na Síria

Organização afirma que não é a primeira vez que funcionários da entidade são atacados no país

Efe

25 de janeiro de 2012 | 18h02

CAIRO - O secretário-geral do Crescente Vermelho na Síria, Abdulrazak Jbero, morreu nesta quarta-feira, 25, após ser baleado por desconhecidos quando viajava de Damasco à cidade de Idlib, no norte do país, informou o porta-voz da Cruz Vermelha no país, Saleh Dabakeh.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

A morte de Jbero também foi confirmada em Genebra por meio de um comunicado divulgado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha. "Até agora desconhecemos as circunstâncias do fato, mas peço a todas as partes que estão recorrendo à violência que cessem suas ações contra os voluntários das organizações humanitárias", indicou Dabakeh.

 

O porta-voz da Cruz Vermelha na Síria afirmou que "não é a primeira vez" que membros da organização sofrem ataques desde o início da revolta contra o regime do presidente sírio, Bashar Al Assad, em março do ano passado. Jbero, médico e diretor da seção do Crescente Vermelho em Idlib, trabalhou nesta entidade como voluntário durante mais de 20 anos, segundo explicou Dabakeh.

 

Quanto à autoria do ataque, a agência oficial de notícias síria "Sana" atribuiu a "grupos terroristas", enquanto o grupo opositor Comitês da Coordenação Local (CCL) vinculou os disparos às forças de segurança. Em comunicado, os CCL informaram ainda da morte de dez pessoas, entre elas duas mulheres e dois menores de idade, em ações de repressão das forças leais a Assad. Quatro dessas pessoas morreram na província oriental de Rif Damasco, três em Hama, duas em Homs e uma em Idlib.

 

Esta nova jornada de violência acontece no dia seguinte ao anúncio da Liga Árabe de que solicitou apoio das Nações Unidas a seu plano paro o fim da violência na Síria, que estipula a saída de Assad do poder.A iniciativa foi rejeitada por Damasco, que a considera uma ingerência em seus assuntos internos e uma tentativa de internacionalizar a crise.

 

Apesar destas desavenças, o regime sírio aprovou na terça a continuação da missão de observadores árabes na Síria, que, no entanto, não conseguiu a cessação da violência no país. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.