Hassan Ammar/AP
Hassan Ammar/AP

Seculares e islamitas entram em novo confronto no Cairo

Partidários e opositores de Morsi trocaram pedradas e golpes com bastões do lado de fora do palácio presidencial

AE, Agência Estado

05 de dezembro de 2012 | 15h29

CAIRO - Partidários e opositores do presidente egípcio Mohamed Morsi trocaram pedradas e golpes com bastões do lado de fora do palácio presidencial no Cairo nesta quarta-feira, 5, em uma nova rodada de protestos que aprofundam a crise política no país. Nenhuma morte foi registrada até o momento.

Os islamitas caçaram os opositores e seculares do local, desmontando as barracas erguidas ontem pelos ativistas. Também nesta quarta-feira, o vice-presidente do Egito, Mahmud Mekki, disse que o referendo constitucional ocorrerá em 15 de dezembro, como foi marcado, e convidou os opositores a apresentarem as objeções aos artigos que acusam de ser anti democráticos na Constituição.

Mais da metade dos 100 deputados constituintes se retiraram da Assembleia em protesto ao texto nas últimas semanas. Morsi declarou na sexta-feira passada que o texto estava pronto e seria votado no dia 15.

A oposição está pedindo que Morsi retire os decretos feitos há cerca de duas semanas, que concedem a ele poderes quase irrestritos. Além disso, os manifestantes também lutam contra o projeto constitucional que os aliados islamitas do presidente se apressaram a aprovar há alguns dias.

A violência é parte da crise política que divide o país: de um lado, Morsi, a Irmandade Muçulmana e os ultraconservadores islamitas, do outro, a oposição, composta de jovens, partidos liberais, socialistas e seculares.

O confronto começou quando milhares de partidários islamitas de Morsi chegaram aos arredores do palácio, onde 300 de seus rivais já organizavam um protesto. Ontem, dezenas de milhares de pessoas cercaram o edifício para manifestar contra os decretos e o projeto constitucional.

Os islamitas, membros da Irmandade Muçulmana, afastaram os manifestantes e destruíram as tendas daqueles que acamparam durante a noite. Os opositores correram para as ruas da região e gritaram slogans anti-Morsi.

Mais cedo, a Irmandade Muçulmana do Egito, que apoia Morsi, havia convocado para hoje uma manifestação de apoio ao governo em frente ao palácio presidencial em contraponto aos protestos contra o governante. O chamado foi publicado na página oficial da organização no Facebook e seu objetivo era "enfatizar a legitimidade do presidente como líder".

Ainda nesta quarta-feira, em Bruxelas, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Rodham Clinton, disse que as manifestações no Egito mostram a necessidade urgente de um diálogo entre o presidente Mohamed Morsi e as forças de oposição.

Falando da reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Hillary disse que os Estados Unidos querem que a nova Constituição egípcia preserve os direitos de todos os cidadãos, homens e mulheres, cristãos e muçulmanos.

Manifestantes seculares lutam contra o projeto de Constituição produzido por um painel constitucional. Muitos dizem que o documento não defende os direitos das mulheres e das minorias religiosas, entre outros.

Veja vídeo do confronto:

Com AP e Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeMohamed MorsiEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.