Sede do Taleban sofreu o pior do bombardeio

O reduto da liderança taleban em Kandahar sofreu ao que parece o pior da ofensiva lançada neste domingo pelos Estados Unidos e Gra-Bretanhã contra os terroristas do Afeganistão. O ataque contra a cidade afegã ocorreu pelo menos em três bombardeios, segundo fontes do taleban que falaram por telefone à agência Associated Press , mas pediram anonimato. O primeiro foi lançado contra o aeroporto, ironicamente construído pelos Estados Unidos como pista de abastecimento para seus aviões de grande porte. No segundo e terceiro, foram atingidos o quartel general taleban e a casa do líder supremo do Taleban, mulá Mohamed Omar. O embaixador do Taleban na capital paquistanesa de Islamabad, Abdul Salam Zaeef, disse que Omar se encontrava vivo após os ataques. Zaeef não disse se Omar estava em sua residência quando os bombardeios começaram. Durante a ocupação soviética do Afeganistão, em 1979, o aeroporto de Kandahar serviu de base para os ataques aéreos contra a resistência islâmica respaldada pelos Estados Unidos. Hoje em dia o aeroporto incluía 300 casas construídas em 1996 para os combatentes da organização Al-Qaeda de Osama Bin Laden, o principal suspeito de ter cometido os atentados contra os Estados Unidos no dia 11 de setembro. A recusa do Afeganistão de entregar Osama Bin Laden detonou os ataques deste domingo. A tecnologia utilizada pela milícia taleban foi especialmente castigada neste segundo bombardeio lançado à cidade, segundo fontes. Este ataque foi preciso e fulminante. Os mísseis caíram no quartel militar taleban, situado no centro da cidade, mas as casas afegãs pareciam intactas. Na semana passada, vários moradores de Kandahar, que fugiram para o vizinho Paquistão, disseram que os soldados afegãos que patrulhavam a região tinham desaparecido. Dentro do prédio somente foram vistas umas poucas pessoas, em sua maioria árabes membros da organização Al-Qaeda. Várias testemunhas em Kandahar disseram ter visto uma fumaça negra exalando da casa de mulá Omar, que no ano passado se mudou para esta residência rodeada por um muro alto e situada a 15 km do centro de Kandahar, depois de ocorrer uma poderosa explosão em sua antiga cidade. A explosão matou 42 pessoas entre elas vários de seus seguranças pessoais. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.