Ségolène é a candidata socialista à Presidência da França

Ségolène Royal, a primeira mulher com chances reais de chegar à Presidência da França, foi oficialmente homologada candidata do Partido Socialista (PS) nas eleições do ano que vem. O ato que oficializou a candidatura da presidente regional de Poitot-Charentes, de 53 anos, aconteceu em Paris, no começo de um congresso extraordinário do PS. Ségolène foi recebida por cerca de 1.500 delegados e personalidades socialistas com uma longa ovação e gritos de "Ségolène presidente". Há 10 dias, após uma campanha inédita de seis semanas e com seis debates, três deles televisionados, Royal (60,65% dos votos) venceu dois concorrentes pesos-pesados nas primárias do PS, o ex-primeiro-ministro Laurent Fabius (18,66%) e o ex-ministro da Economia Dominique Strauss-Kahn (20,69%). Os resultados da votação foram solenemente lidos pelo número dois do PS, François Rebsamen, que, meses atrás, virou um entusiasta da candidatura da defensora da "ordem justa" e da "democracia participativa" e, agora, desponta como diretor de campanha da candidata. Ségolène, que quer encarnar a "renovação" política e cujo maior trunfo, segundo as pesquisas, é sua condição de mulher, prometeu uma campanha "participativa" e "descentralizada", em cuja primeira fase se dedicará "a ouvir" os franceses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.