Seguidores de Bin Laden condenados à perpétua

Os quatro seguidores de Osama bin Laden acusados dos ataques explosivos às embaixadas dos EUA no Quênia e na Tanzânia foram condenados nesta quinta-feira à prisão perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional. Khalfan Khamis Mohammed, de 28 anos, foi o primeiro a ser sentenciado no tribunal federal do distrito de Manhattan. Em seguida, Mohammed Al-Owhali, de 24 anos, foi também condenado à prisão perpétua, sem direito à liberdade condicional. Mohammed e Al-Owhali poderiam ter sido condenados à morte, mas o júri não chegou a um consenso sobre isso, pois alguns de seus membros sustentaram que sentenciá-los à pena capital só os converteria em mártires. O advogado de Mohammed disse que o acusado "deseja expressar seu agradecimento ao júri por deixá-lo viver". Tanto Al-Owhali como Mohammed foram condenados por participação direta no crime. Mohammed Sadek Odeh, de 36 anos e procedente da Jordânia, recebeu idêntica sentença por conspiração. Wadih El-Hage, 41 anos, cidadão americano nascido no Líbano, também foi condenado à mesma pena por conspiração. O juiz Leonard B. Sand ordenou que cada um dos condenados pagasse US$ 33 milhões por danos e prejuízos - US$ 7 milhões para os familiares das vítimas e US$ 26 milhões para o governo dos EUA. Em uma audiência na quarta-feira prévia à sentença, Sand disse que os acusados não tinham dinheiro, mas sugeriu que as contas recentemente congeladas pelas autoridades americanas (a fim de cortar os fundos para os grupos terroristas, especialmente o al-Qaeda) poderiam ser usadas para pagar as famílias das vítimas. Os ataques quase simultâneos de 7 de agosto de 1998 contra duas das embaixadas dos EUA na África resultaram na morte de 231 pessoas, incluindo a de 12 americanos. O julgamento dos quatro acusados, iniciado há seis meses havia atraído pouca atenção do público americano até os ataques terroristas de 11 de setembro contra o World Trade Center e o Pentágono, em que morreram milhares de pessoas. Leia o especial

Agencia Estado,

18 Outubro 2001 | 19h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.