Seguidores de Chávez comemoram aniversário de golpe

Milhares de simpatizantes do presidente venezuelano, Hugo Chávez, se concentravam na manhã deste domingo em dois pontos de Caracas para marchar até o Paseo Los Próceres e se somar a um desfile militar em comemoração do 15º aniversário do frustrado golpe de Estado que o mandatário liderou em 4 de fevereiro de 1992."Este ato público é uma demonstração de que o povo venezuelano na sua imensa maioria está comprometido no espírito, no coração e na ação com a transformação democrática da Venezuela pela Revolução bolivariana", disse o ministro de Comunicação e Informação, William Lara.No último fim de semana, no seu programa dominical Alô Presidente, o mandatário convocou um desfile cívico militar para celebrar a data e destacou que, como soldado, assumiu uma responsabilidade quando o país "se afundava e se quebrava em pedaços"."Não sei o que teria acontecido com a Venezuela sem a rebelião, a dolorosa rebelião de 4 de fevereiro de 1992. Ali apareceu uma fresta e uma luz, um caminho. Somos filhos do 4 de fevereiro", disse Chávez.Para comemorar o que o governo denominou "Dia da Dignidade", 9.578 oficiais, suboficiais e gente da ativa e da reserva da Força Armada Nacional (FAN), desfilaram neste domingo junto com o Poder Popular, representado pelas distintas missões sociais do governo nacional. Após o frustrado golpe de Estado, Chávez foi detido e passou dois anos na prisão, recebendo a anistia em 1994, durante o governo de Rafael Caldera (1969-74/94-99). Eleito em 1998, toma posse para um mandato de cinco anos em 1999, sendo reeleito em 2000 e em 2006, ambas as vezes com cerca de 60% dos votos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.