'Seguimos atrás da verdade', diz Pérez Esquivel

Adolfo Pérez Esquivel, argentino ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 1980, afirmou ontem que a morte do ex-ditador Jorge Rafael Videla "não deveria alegrar pessoa nenhuma". Em entrevista ao Estado, ele sustentou que o desaparecimento de Videla é "a partida de um genocida que fez a Argentina padecer".

O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2013 | 02h01

Segundo o Nobel, preso durante o regime militar, a morte do ex-ditador não implica o "encerramento de um ciclo".

"Continua a procura da verdade, do paradeiro dos corpos dos desaparecidos, dos bebês sequestrados e da Justiça. Continua a luta pelo direito à verdade", disse. / A.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.