Segundo lugar deve apelar para ''voto útil''

BUENOS AIRES

Ariel Palacios, O Estado de S.Paulo

14 de agosto de 2011 | 00h00

Apesar de a pesquisa da Management & Fit ter apontado 36,8% das intenções de voto para a presidente Cristina Kirchner, o número poderia subir para 41% com a projeção dos indecisos. Essa proporção seria suficiente para uma vitória kirchnerista no primeiro turno - segundo o sistema eleitoral argentino, vence na primeira etapa o candidato que consegue 40% dos votos, sempre que o segundo colocado estiver 10 pontos porcentuais abaixo, isto é, com menos de 30%.

A outra alternativa para vencer no primeiro turno é a de obter 45% dos votos, independentemente da margem que o líder tenha para o segundo colocado.

O deputado Ricardo Alfonsín, com a projeção de indecisos, teria 19,6%, enquanto Eduardo Duhalde ficaria com 14,3%. Esses dois candidatos, os opositores mais bem colocados, lutam pelo segundo lugar e para obter uma grande diferença com relação ao terceiro.

Assim, o candidato da oposição com mais votos poderá recorrer ao velho discurso da necessidade do "voto útil" para derrotar Cristina. De acordo com a analista de opinião pública Mariel Fornoni, as primárias servirão para que os candidatos verifiquem quais são os ajustes estratégicos que deverão ser feitos nos próximos dois meses, considerados decisivos.

PRESIDENCIÁVEIS

Cristina Kirchner

Primeira presidente mulher eleita democraticamente nas urnas na Argentina. É viúva do ex-presidente Néstor Kirchner, que morreu em outubro e era considerado o verdadeiro presidente nos três primeiros anos do governo da mulher

Ricardo Alfonsín

É definido com frequência como um "clone" de seu pai, Raúl Alfonsín, primeiro presidente civil eleito após a volta da democracia ao país, em 1983

Eduardo Duhalde

Durante duas décadas, foi referência de poder na Província de Buenos Aires. Em janeiro de 2002, quando a Argentina estava mergulhada na maior crise de sua história, Duhalde foi designado presidente provisório. Em 2003, elegeu o até então desconhecido Néstor Kirchner como seu sucessor

Alberto Rodríguez Saá

É famoso por afirmar que tem contatos telepáticos com os habitantes do planeta Xilium

Hermes Binner

Líder do Partido Socialista, é um moderado que compensou sua ausência de carisma com a construção de uma imagem de "eficácia", durante seu governo na Província de Santa Fé

Elisa Carrió

Conhecida por sua luta pela ética na política argentina, tornou-se a principal denunciante de casos de corrupção no governo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.