Segundo navio japonês parte para o Oceano Índico

Oumi vai se juntar ao destróier Murasame para retomar ajuda aos estrangeiros em missão no Afeganistão

Efe,

25 de janeiro de 2008 | 04h38

O navio japonês Oumi partiu nesta sexta-feira, 25, com destino ao Oceano Índico para retomar a missão de fornecimento de combustível e água às embarcações estrangeiras que participam das atividades antiterroristas no Afeganistão. Segundo a agência local Kyodo, o Oumi, um navio-tanque com capacidades de transportar 13.500 toneladas, zarpou nesta manhã da base de Sasebo, nas proximidades de Nagasaki (sul). Nesta quinta-feira, o destróier Murasame, de 4.550 toneladas, deixou com a mesma missão o porto de Yokosuka, ao sul de Tóquio. Os dois navios de guerra levarão a bordo 340 membros das Forças navais japonesas de Autodefesa, comandados pelo capitão Seiji Saeki, que lidera a divisão com base em Yokosuka, na província de Kanagawa (centro do Japão). Espera-se que as embarcações estejam operando no Índico em meados de fevereiro, depois de a missão logística japonesa ter sido interrompida em novembro pela rejeição da oposição japonesa. Após vários meses de batalha parlamentar, a lei antiterrorista que permitia essa missão foi finalmente aprovada no dia 11 de janeiro pela Dieta japonesa, embora em uma versão reduzida. As Forças de Autodefesa japonesas forneceram durante seis anos combustível no Índico aos navios americanos e de seus aliados que participam de operações antiterroristas no Afeganistão, mas a missão ficou interrompida por três meses pela rejeição da oposição japonesa, que domina o Senado. A operação logística foi prorrogada por um ano e se limitará apenas ao fornecimento de combustível e água.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoantiterrorismoJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.