AFP PHOTO / Justin Tallis
AFP PHOTO / Justin Tallis

Site diz que 2017 foi ano mais seguro da história da aviação e Trump tenta ganhar parte dos créditos

Apenas 10 aviões com passageiros sofreram acidentes nesse período, deixando 44 mortos; pouco depois da divulgação desses dados, presidente americano disse no Twitter que tem sido 'muito rígido' com relação ao setor desde que chegou à Casa Branca

O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2018 | 11h22
Atualizado 02 Janeiro 2018 | 15h04

WASHINGTON - O ano de 2017 foi o mais seguro para a aviação civil desde que as estatísticas sobre acidentes de avião começaram a ser registradas em 1946, informou o site especializado Aviation Safety Network (ASN), na segunda-feira 1.º.

+ Doze pessoas morrem na queda de um avião particular na Costa Rica

No ano passado, 10 aviões com passageiros sofreram acidentes que deixaram 44 mortos entre os viajantes e 35 em terra.

+ Queda de avião mata CEO de multinacional britânica na Austrália

"É o ano mais seguro de todos os tempos, tanto pelo número de acidentes quanto pela quantidade de vítimas", afirmou a ASN. Em 2016, foram 16 acidentes e 303 mortos, lembrou a rede.

Os números publicados se referem apenas às aeronaves comerciais civis de transporte de passageiros e aos voos fretados para levar ao menos 14 passageiros. A estatística não inclui, portanto, o acidente de um avião militar de Mianmar no dia 7 de junho, que causou 122 mortes.

O pior acidente foi o que deixou 12 mortos no sábado na Costa Rica, último dia considerado nas estatísticas.

Em 2017, houve 36,8 milhões de voos no mundo todo, o que significa um acidente a cada 7,36 milhões de voos.

Casa Branca

Pouco depois da divulgação dos dados pelo ASN, o presidente dos EUA, Donald Trump, se pronunciou sobre o assunto em sua conta no Twitter.

"Desde que assumi a presidência tenho sido muito rígido com relação à aviação comercial. Boas notícias - acabou de ser divulgado que houve zero mortes em 2017, o melhor e mais seguro ano da história!", tuitou ele.

Segundo a agência de notícias France-Presse, a estatística se deve a muito mais do que apenas a influência americana. Há mais de uma década esses números vêm caindo. A última tragédia em aeronaves comerciais nos EUA aconteceu em julho de 2013. Três passageiros morreram quando o voo 214 da Asiana Airlines caiu pouco antes da aterrissagem no Aeroporto Internacional de San Francisco. / AFP e AP

Mais conteúdo sobre:
acidente aéreo Avião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.