Segurança de Pastrana renuncia, acusado de corrupção

O procurador-geral Luis Camilo Osorio disse nesta terça-feira que o ex-secretário de segurança da Presidência colombiana, coronel da polícia Rodney Chávez, será chamado a prestar declarações em um processo por malversação de fundos após ter renunciado ao cargo nesta segunda-feira à noite.Chávez apresentou sua renúncia ao ser acusado de envolvimento em um escândalo pela construção de um edifício avaliado em cerca de US$ 4,5 milhões.O presidente Andrés Pastrana aceitou no mesmo dia a demissão do coronel que, durante 14 anos, foi o responsável pela segurança pessoal do governante, informou a Casa de Nariño, sede do governo.O promotor Osorio disse que Chávez deverá testemunhar em um processo contra um grupo de oficiais da polícia acusados de suposta marversação de fundos do Plano Colômbia. Chávez terá de explicar a origem do dinheiro que investiu na construção de um luxuoso edifício em um exclusivo setor de Bogotá, conhecido como Centro Internacional - uma área de bancos, hotéis e restaurantes.O diretor da polícia, general Luis Ernesto Gilibert, afirmou que o coronel Chávez deve explicações ao povo colombiano sobre "algumas coisas", entre elas a origem do dinheiro e a suposta sociedade incorporadora que financia a obra, que não está registrada.Em declarações à televisão, Gilibert disse que "algumas coisas do coronel Chávez não são claras". Chávez renunciou ao cargo que ocupava, mas o escândalo não o levou a pedir baixa da polícia, entre cujos agentes 60 estão sendo investigados pela Procuradoria e pela Promotoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.