Segurança em torno da casa de Suu Kyi é reforçada

Líder democrática passou em cativeiro quase 13 anos dos últimos 20 anos

EFE

27 de maio de 2008 | 05h01

As forças de segurança aumentaram nesta terça-feira sua presença em torno da casa da líder do movimento democrático, Aung San Suu Kyi, pouco antes de a Junta Militar de Mianmar (antiga Birmânia) decidir se prorroga sua detenção. Foram desdobradas na vizinhança da residência da Nobel da Paz, em Yangun, várias dezenas de policiais vestidos à paisana, além de membros da milícia aliada à Junta Militar, segundo testemunhas. A Polícia também posicionou pelo menos seis caminhões com agentes de segurança armados nas proximidades da sede da Liga Nacional pela Democracia (LND), a legenda liderada por Suu Kyi, também em Yangun. A LND prepara um ato para celebrar 18º aniversário da vitória do partido nas últimas eleições legislativas, cujos resultados nunca foram reconhecidos pelos generais que governam o país. Suu Kyi, que passou em cativeiro quase 13 anos dos últimos 20 anos, foi detida novamente em 30 de maio de 2003, depois que várias centenas de seguidores do regime atacaram no norte do país a comitiva em que ela viajava com outros membros de seu partido. O ataque, do qual Suu Kyi escapou protegida por seus seguranças, deixou cerca de 70 mortos. A Junta Militar ignora até agora os pedidos das Nações Unidas, União Européia (UE), Estados Unidos, e outros países a favor da libertação incondicional de Suu Kyi, considerada o símbolo da democracia por muitos birmaneses.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmarjunta militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.