Segurança Interna dos EUA terá agentes na tríplice fronteira

Agentes do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos serão enviados em breve para o Brasil, Argentina e Paraguai para ajudar as autoridades locais no combate à lavagem de dinheiro e outros crimes financeiros relacionados "ao financiamento do terrorismo", afirmou a embaixada americana nesta quarta-feira. Um número ainda não determinado de agentes do Departamento de Imigração e da Agência Alfandegária devem chegar ao Brasil dentro de dois meses, e na Argentina e Paraguai algumas semanas depois. Trabalhando juntamente com as autoridades locais e os funcionários das alfândegas, eles irão estabelecer "unidades de transparência comercial" parara investigar e punir lavagem de dinheiro, sistemas alternativos de remessas, financiamento de terrorismo, contrabando, evasão de impostos e outros crimes, informou a Agência em um comunicado Um foco será a porosa região de tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. Na área vivem mais de 20 mil árabes, a maioria libaneses muçulmanos, assim como contrabandistas e traficantes de armas e drogas. A região foi descrita pelo Departamento de Estado americano como um ponto alvo de extremismo islâmico na América Latina. "Os Estados Unidos acreditam que a área da tríplice fronteira é uma fonte de arrecadação de fundos para grupos radicais islâmicos, incluindo o Hezbollah e o Hamas" afirma o comunicado. "Ainda acredita-se que a região seja um dos principais centros de contrabando América do Sul, onde bilhões de dólares são obtidos através do tráfico de drogas e de armas, contrabando, violações dos direitos de propriedade intelectual e outros crimes". O governo americano destinou US$ 2,25 milhões para equipar as equipes nos três países A Colômbia é o único lugar no mundo que possui uma unidade de transparência comercial. A Polícia Federal brasileira e o Ministério do Exterior não comentaram o assunto. Segundo a embaixada americana, um grupo permanente que representa o Brasil, Argentina, Paraguai e os Estados Unidos concordou com a iniciativa.

Agencia Estado,

22 Março 2006 | 19h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.