Segurança será o principal problema do Timor Leste em 2007

O primeiro-ministro do Timor Leste e prêmio Nobel da Paz em 1996, José Ramos Horta, disse nesta quinta-feira em Díli que asegurança constitui a principal ameaça nacional em 2007 e opinou que será preciso pelo menos um ano para superar o problema."A união nacional é uma maneira para solucionar a atual situaçãopolítica e de segurança. Por isso, o povo do Timor Leste deve seunificar e deixar para trás a falsa propaganda de Loromonu (oeste) e Lorosae (este)", manifestou o governante.A nação estabelecida em 20 de maio de 2002 deve convocar eleições gerais este ano, exercício democrático que requer um clima de segurança e liberdade.Ramos Horta assumiu a chefia do governo em julho para substituirMari Alkatiri, que se demitiu no meio de uma grave crise provocada por uma espiral de violência que causou 30 mortos e 150.000 refugiados e cuja origem foi a expulsão por insubordinação de 591 militares que pediam melhoras trabalhistas.Em agosto, o Conselho de Segurança da ONU criou a MissãoIntegrada no Timor Leste (Unmit, na sigla em inglês) para ajudar os timorenses a restabelecer a ordem, e a dotou com 1.608 policiais e 34 militares.O primeiro-ministro timorense apontou nesta quinta-feira que este ano o Estado, um dos mais pobres do mudo, investirá US$ 100 milhões mensais da exploração das reservas petrolíferas no Mar do Timor, um dinheiro do qual disse, "carecerá de sentido se não estamos unidos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.