Seguranças criam pânico em vôo da Delta Airlines

A menos de duas semanas do primeiroaniversário dos atentados de 11 de setembro em Nova York eWashington, os 183 passageiros de um vôo da Delta Airlines entreAtlanta e Filadélfia tiveram no sábado 30 minutos de nervos àflor da pele. Por causa de um passageiro que criava problemas,os dois agentes federais que viajavam armados e à paisanaprotegendo o vôo - uma providência estendida a praticamentetodos os vôos comerciais, nos EUA, desde os dias que se seguiramaos atentados - entraram em ação. Enquanto um deles dominava oencrenqueiro, o outro encostou as costas na cabine do piloto eapontou sua pistola em direção aos demais passageiros."Se ele disparasse a arma, mesmo que por acidente, ia matarou ferir alguém", contou, ainda assustado, o passageiro DavidJohnson, de 51 anos, à Associated Press. A Delta não quiscomentar o incidente, noticiado hoje com base nos relatos depassageiros, mas o porta-voz da agência federal de segurança nostransportes, David Steigman, defendeu prontamente a atitude dosagentes: "Eles lidaram da maneira adequada com um passageiroque agia de maneira estranha e espalhafatosa."O passageiro "problemático", cuja identidade não foirevelada pelas autoridades, foi submetido por um dos agentes edepois levado para a primeira classe, onde permaneceu o resto dovôo sob vigilância. Logo após o pouso do avião na Filadélfia(Costa Leste) e o desembarque dos demais passageiros, o"encrenqueiro" - cujo "comportamento inadequado" não chegoua ser descrito em detalhes - foi liberado sem acusaçõesformais.David Johnson e sua mulher, Susan - um casal do Alabama queassistiu a todo o incidente -, contaram que repararam nosuspeito conversando com uma passageira da fileira de trás dasua, cerca de uma hora depois da decolagem. Não muito tempodepois, os agentes federais entraram em ação."O agente (que apontou o revólver) manteve os passageirosdaquele setor do avião como reféns", comentou hoje um juiz depequenas causas da Filadélfia, James Lineberger. "Ele ficou decostas para a cabine da tripulação com sua arma apontada emdireção à cauda do aparelho, com todos sob sua mira."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.