Seis detidos na Grã-Bretanha por suspeita de terrorismo

Seis pessoas foram detidas no sul da Inglaterra por suspeitas de terrorismo nesta segunda-feira, enquanto quatro norte-africanos acusados de produzir ricina - uma substância altamente tóxica - compareciam pela primeira vez perante um tribunal londrino.Cinco homens e uma mulher foram detidos no domingo na região de Bournemouth, na costa sul da Inglaterra. Segundo a polícia, foram detidos por suspeita de terrorismo em conexão com"uma investigação em andamento"; mas os policiaisnão confirmaram versões de que as novas detenções estavamrelacionadas com o caso da ricina. Um porta-voz da Polícia Metropolitana disse à Associated Press que a polícia local e os agentes antiterroristas de Londres deram buscas em duas moradias na área de Bournemaouth. Ali, "não foram encontradas substâncias químicas que tivessem relação com as detenções, que foram realizadas de acordo com o disposto na lei antiterrorista do ano 2000", disse o superintendente da polícia de Dorset, Bob Boulton. "Não podemos fazer mais comentários nesta etapa, exceto para dizer que as seis pessoas estão detidas na zona de Bournemouth". Indicou que os residentes da zona não deveriam se alarmar com as detenções e, sim, se manterem vigilantes. Ao mesmo tempo, hoje, quatro suspeitos, descritos como de origem norte-africana, compareceram perante um tribunal deLondres acusados de terem armas químicas em seu poder e decometerem delitos de terrorismo. Os acusados são: Mouloud Feddag, de 18 anos; Samir Feddag, de 26; Mustafa Taleb, de 33, e um jovem de 17 anos - cujo nome não foi revelado por razões judiciais.Foram formalmente acusados de terem em seu poder material para "cometer, preparar ou instigar um ato de terrorismo"e de estarem "implicados no desenvolvimento ou produção de armas químicas". Um quinto suspeito foi acusado de falsificação de documentos e um sexto por posse de drogas e delitos de imigração. A ricina é um tóxico capaz de provocar a morte em poucos dias. Não existe antídoto nem tratamento para as vítimas do produto. Anteriormente, a ricina foi vinculada à organização Al-Qaeda e ao regime de Saddam Hussein no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.