Jaime Saldarriaga/Reuters
Jaime Saldarriaga/Reuters

Seis ex-guerrilheiros das Farc são mortos na Colômbia

O crime ocorreu na comunidade de San José del Tapaje, local estratégico para o tráfico. Esse é o primeiro massacre de integrantes do ex-grupo guerrilheiro desde o acordo de paz.

O Estado de S.Paulo

19 Outubro 2017 | 17h02

BOGOTÁ - Seis ex-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) foram mortos por homens armados em uma zona de selva no sudoeste da Colômbia no domingo 15, denunciou o grupo. Esse é o primeiro massacre de integrantes do ex-grupo guerrilheiro, que abandonou as armas e se converteu em um partido político.

O crime ocorreu na comunidade de San José del Tapaje, no Estado de Nariño, local de conflito e estratégico para o cultivo de folha de coca e o tráfico de cocaína. Atualmente na região, gangues de criminosos, a guerrilha Exército de Liberação Nacional (ELN) e dissidências das Farc disputam o controle territorial.

A Força Alternativa Revolucionária da Colômbia, partido político nascente das Farc, disse em um comunicado que os grupos armados que tentam ocupar os espaços deixados pela antiga guerrilha não estão pleiteando uma luta ideológica nem uma mudança social. "O que fazem é arremeter com violência desenfreada, não contra um Estado ou governo, mas literalmente contra seus próprios irmãos de raça e de sangue, buscando alcançar poder local para obter benefícios econômicos particulares."

Paz. O governo do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e as Farc assinaram um acordo de paz no ano passado para encerrar mais de 53 anos do conflito que deixou cerca de 220 mil mortos e milhões de deslocados.

Com base no acordo, mais de 11 mil integrantes da antiga guerrilha, entre combatentes, colaboradores e presos, estão envolvidos em um processo complexo de reintegração a uma sociedade dividida entre aqueles que apoiam e os que se opõem à integração política do grupo.

+Justiça colombiana blinda acordo de paz com as Farc por 12 anos

Os líderes das Farc já expressaram o temor de que os membros do novo partido sejam alvo de assassinatos seletivos, uma repetição do que aconteceu com cerca de 5 mil militantes da União Patriótica, partido que surgiu de um processo de paz fracassado com o governo colombiano na década de 1980.

Conforme o acordo de paz do ano passado, as Farc terão 10 cadeiras garantidas no Congresso até 2026, mesmo se não conseguirem os votos necessários nas eleições./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.