Pixabay
Pixabay

Seis filhotes de focas são encontrados decapitados na Nova Zelândia

Autoridades apontam que uma das explicações pode ser a crença equivocada de que os animais comem peixes procurados por pescadores

Redação*, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2018 | 05h28

Seis filhotes de focas foram encontrados decapitados na baía da Nova Zelândia na última segunda-feira, 17. As autoridades locais classificaram o crime como “perturbador, brutal e violento”.

Os filhotes de 11 meses de idade foram descobertos por um agente de turismo em uma baía na cidade de Christchurch, no sul do país. De acordo com o Departamento de Conservação da Nova Zelândia, a suspeita é de que as focas foram mortas em outro local antes de serem despejadas na região.

Segundo as autoridades, os corpos foram encontrados flutuando. As cabeças dos animais não foram localizadas.

"Devido à natureza perturbadora, brutal e violenta desse crime contra filhotes de focas indefesos, ele foi denunciado à polícia", disse Andy Thompson, gerente de operações do escritório de Maharani do Departamento de Conservação. A legislação da Nova Zelândia protege as focas.

Três dos corpos localizados foram enviados para realização de autópsias em uma universidade local. As autoridades acreditam que humanos foram os responsáveis pelas decapitações nos animais. De acordo com Thompson, é “muito improvável” que tubarões tenham mordido apenas as cabeças das focas.

O representante do Departamento de Conservação apontou ainda que uma das possíveis explicações para o ato pode ser a crença equivocada de que as focas estão comendo peixes de espécies procuradas por pescadores.

"Lamentavelmente, o antagonismo em relação às focas é muitas vezes motivado pela crença errônea de que as focas estão comendo grandes quantidades de espécies de peixes valorizadas para consumo humano", disse Thompson. "Esse não é o caso. A pesquisa mostra que 90% da dieta de focas da Península de Banks é composta de peixes-lanterna que não são procurados na pesca", completou. \ * The Washington Post

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.