Seis fogem da prisão no centro do México

Autoridades não informaram de que forma os presos fugiram e se houveram policiais rendidos

AP,

23 de junho de 2010 | 01h59

CIDADE DO MÉXICO - Autoridades mexicanas informam que na terça-feira, 22, seis réus considerados de alta periculosidade escaparam, quando eram transferidos de uma prisão no estado centro do México, para um tribunal no mesmo local.

A Secretaria de Segurança Pública do estado de Morelos, em que os acusados eram levados de suas celas no Centro de Readaptação Social de Atlacholoaya, para o julgamento nesta quarta-feira, 23, e ao passar pelos túneis de entrada foram submetidos aos administradores.

As autoridades disseram em comunicado de imprensa que os presos conseguiram cortar as barras em frente a uma porta de segurança e assim conseguiram escapar. Apesar de um forte dispositivo de segurança, nos arredores da penitenciaria, os suspeitos não foram recapturados.

"Ao passar pelo terceiro ensaio (que não está mais no cargo) os internos surpreenderam os elementos de segurança e custódia, que foram submetidos a entrar em um corredor que é utilizado como uma saída de emergência... no final estava fechada com uma grade metálica, no qual foi cortada nas barras para abrir um espaço e facilitou a fuga, embora estejam com os uniformes que os identificam como internos do presídio", diz comunicado oficial.

O comunicado não especifica quais foram as ferramentas utilizadas e nem quantos policiais foram rendidos durante a fuga. Os fugitivos foram identificados como: Héctor Diaz Peña, 23 anos; Israel Ambris Elorsa, 24, Jaime Cuevas Cruz , de 36 e Fabián González Galván, de 43. Entre os delitos que são acusados, estão sequestro, crime organizado, delitos contra a saúde, homicídio, roubo de carros e associação ilícita.

O governo do estado de Morelos, ao sul da capital mexicana, informa que todo o pessoal de segurança da carceragem está sujeito a investigação e que vão prestar depoimento ao ministério público.

Tudo o que sabemos sobre:
prisão, México, fuga, centro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.