Seis imigrantes são mortos na fronteira entre Egito e Israel

Seis imigrantes africanos foram mortos a tiros perto da fronteira entre Egito e Israel na sexta-feira à noite, disse uma fonte na segurança egípcia, na maior chacina registrada na região nos últimos anos.

REUTERS

14 de agosto de 2010 | 11h36

Quatro foram mortos por contrabandistas e dois foram mortos pela polícia egípcia, disse a fonte. Em setembro de 2009, a polícia matou quatro imigrantes num único incidente.

A Península do Sinai é utilizada como rota por imigrantes africanos que buscam trabalho ou asilo em Israel. Contrabandistas também a utilizam para levar armas e vários outros produtos para a faixa de Gaza.

A fonte disse que os contrabandistas mantinham 50 etíopes e eritreus em cativeiro e que um dos cativos conseguiu pegar uma arma de um guarda e libertar seus companheiros.

Os contrabandistas então atiraram nos imigrantes que fugiam enquanto os perseguiam pelos vilarejos perto da fronteira, matando ao menos quatro e ferindo mais cinco, disse a fonte.

Forças de segurança egípcias mais tarde mataram mais dois dos imigrantes fugitivos quando eles se recusaram a parar quando os policiais mandaram. Naquele momento, eles tentavam passar pelo arame farpado na fronteira. Dezesseis imigrantes foram presos.

A violência eleva o número de imigrantes mortos perto da fronteira neste ano para ao menos 28, dos quais 24 foram mortos por forças de segurança egípcias e quatro por contrabandistas.

(Reportagem por Yusri Mohamed; redação por Alexander Dziadosz em Cairo, edição por Andrew Dobbi)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOISRAELVIOLENCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.