Seis policiais feridos e 277 carros queimados na França

Seis policiais ficaram feridos levemente emconfrontos nos bairros da periferia de Paris na noite desta sexta-feira,durante a qual também foram incendiados dois ônibus e 277 carros, noprimeiro aniversário da onda de violência de 2005 na França. A polícia, entretanto, disse que foi uma "noite relativamentetranqüila". Um comunicado do Ministério do Interior anunciou quehouve "poucos incidentes". Foram detidas 47 pessoas, 34 delas naregião de Paris. No bairro de Bosquets, que fica na cidade de Montfermeil e éconhecido por ser palco freqüente de conflitos, cerca de 30 jovensencapuzados enfrentaram a polícia, pouco antes de meia-noite. Os distúrbios começaram com um carro da Polícia sendo apedrejado,segundo as fontes policiais. Fontes policiais citadas pelo jornal Le Monde afirmaram que emtodo o país houve 277 carros incendiados, dentre os quais, metade naregião de Paris e 59 no departamento de Seine-Saint-Denis. Um dos ônibus foi atacado na cidade de Blanc-Mesnil, no fim datarde de sexta-feira. Dois homens encapuzados armados e com galõesde gasolina obrigaram os 15 passageiros e o motorista a sair doveículo antes de provocar o incêndio, relatou a polícia. A queima do segundo ônibus aconteceu cerca de uma hora e meiadepois, em outro ponto da mesma localidade. Dez pessoas encapuzadasquebraram as janelas e lançaram coquetéis molotov dentro dele. As autoridades tinham anunciado um reforço de 4 mil policiais emilitares nos bairros conflituosos do país, especialmente naperiferia de Paris, para reforçar a Polícia local e prevenir umanova explosão de violência. Seis ônibus foram incendiados na França nos últimos dois dias. Na onda de distúrbios do ano passado, mais de 10 mil veículos, emsua maioria carros particulares, foram queimados. Mais de 300edifícios públicos ou privados foram alvo de vandalismo. Nesta sexta-feira, mais de mil pessoas participaram de umapasseata silenciosa em Clichy-sous-Bois (periferia norte de Paris),onde há um ano dois adolescentes morreram eletrocutados quandofugiam de uma perseguição da polícia. A morte dos dois jovens detonou uma onda de distúrbios que duroutrês semanas em dezenas de bairros das principais cidades da França,que levou o governo a decretar temporariamente estado de emergência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.