Seis prefeitos são seqüestrados na Colômbia

Os paramilitares admitiram hoje ter seqüestrado seis dos 23 prefeitos do Estado de Antioquia, no nordeste da Colômbia, que tentavam diálogos regionais de paz com o Exército de Libertação Nacional (ELN). "As Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) assumem a responsabilidade pela integridade destes seis prefeitos privados da liberdade em momentos em que se dispunham a realizar uma de suas estranhas reuniões de negociação", disseram os paramilitares em um comunicado divulgado nesta segunda-feira na Internet. "Estas negociações são de exclusiva responsabilidade do presidente da República. Por esta razão e por convicção, nós nos opusemos aos diálogos regionais", acrescentaram as AUC na carta, dirigida ao governador de Antioquia, Guillermo Gaviria. Os paramilitares temem que esta aproximação entre prefeitos e guerrilheiros resulte na criação de pequenas zonas desmilitarizadas similares à zona controlada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) no sul do país. O comandante da polícia do departamento de Antioquia, coronel Guillermo Aranda, disse que os prefeitos foram seqüestrados "quando se dirigiam a um encontro no domingo à tarde", embora não se saiba se o encontro era com os paramilitares ou com o ELN. Versões da imprensa local indicam que foram raptados os chefes do Executivo dos municípios de Guatapé, Marinilla, San Luis, El Carmen de Viboral, El Peñol e Granada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.