Seita fundamentalista islamita mata 3 pessoas na Nigéria

A polícia nigeriana disse nesta quarta-feira que três pessoas foram mortas em ataques de uma temida seita fundamentalista islâmica, apesar do estado de emergência que entrou em vigor em regiões do norte nigeriano. O chefe da polícia estadual de Borno, Simeone Midenda, disse que dois supostos partidários da seita Boko Haram mataram a tiros o chefe comunitário do bairro de Shehuri, na cidade de Maiduguri, no final da tarde da terça-feira.

AE, Agência Estado

04 de janeiro de 2012 | 15h04

Em outro episódio, membros da seita mataram outro chefe comunitário na cidade de Damaturu, disse o chefe da polícia do Estado de Yobe, Tanko Lawan. E no Estado de Jigawa, também no norte nigeriano, uma menina foi morta a tiros durante um confronto entre fundamentalistas da Boko Haram e policiais, quando partidários da seita atacaram uma delegacia da polícia. A menina ficou no fogo cruzado e foi baleada.

No sábado, o presidente nigeriano Goodluck Jonathan impôs o estado de emergência em regiões do norte da Nigéria afetadas pela violência e os ataques da Boko Haram, a qual pretende implantar a sharia, lei islâmica, no país inteiro. Embora o norte da Nigéria seja predominantemente muçulmano, a maioria da população no sul do país é cristã ou segue religiões africanas.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.