Seita islâmica mantinha fiéis em 'catacumba'

Quatro integrantes de uma seita islâmica que atua na região russa do Tartaristão foram acusados ontem de praticar crueldade contra crianças que participam do culto, acusados de mantê-las em uma espécie de "catacumba". O líder da organização religiosa, Faizrakhman Sattarov, se autoproclama um profeta muçulmano. A polícia encontrou 27 crianças e 38 adultos vivendo em dependências escavadas sob sua casa. Segundo a imprensa russa, algumas crianças da seita nunca haviam visto a luz do sol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.