Rebecca Blackwell/AP
Rebecca Blackwell/AP

Sem evidência científica, México imuniza antes pobres e indígenas 

Profissionais de saúde dizem que abordagem é irracional e imunização deveria ocorrer em cidades com mais casos

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2021 | 05h00

CIDADE DO MÉXICO - Enquanto países de todo mundo debatem sobre quem deve ser vacinado primeiro, o México apresentou a própria abordagem não convencional – sem nenhuma base epidemiológica aparente. O governo do presidente populista Andrés Manuel López Obrador, que fez campanha com o slogan “primeiro os pobres”, está priorizando os cidadãos mais desfavorecidos do país, usando a vacina como uma espécie de reparação por anos de marginalização.

Professores em vilas rurais, alguns dos agricultores mais pobres do país e membros idosos de comunidades indígenas distantes receberão vacinas contra o coronavírus antes de quase qualquer um dos habitantes das cidades do México que sofreram os piores surtos. Em muitos casos, os pobres rurais foram vacinados antes mesmo das equipes médicas encarregadas de administrar as vacinas.

É uma abordagem que os apoiadores de López Obrador respaldam – prova de que seu presidente está do lado certo da profunda divisão de classes do México. Mas, para muitos profissionais de saúde pública, é cientificamente irracional a evidência de que a política está distorcendo o impulso de vacinação. A maioria das comunidades que estão sendo priorizadas teve um número de casos de coronavírus relativamente baixo. Muitas são cidades rurais onde o distanciamento social nunca foi um desafio.

“Essa é uma visão que não tem base em epidemiologia”, disse Fernando Petersen Aranguren, secretário de Saúde do Estado de Jalisco. “Isso não tem nada a ver com saúde pública e não se concentra na necessidade de quebrar a cadeia de contágio.”

Aranguren queria distribuir doses em Guadalajara, a segunda maior cidade do México, onde mais de 71 mil pessoas foram infectadas com o vírus. Mas o governo federal, que tem controle quase total sobre a aquisição e distribuição de vacinas, deu a ele uma lista de pequenas cidades e vilarejos que disse para ele priorizar.

“Começar em grandes cidades com surtos maiores teria nos permitido reduzir nosso número de casos com muito mais eficácia”, argumenta Aranguren.

López Obrador, que contraiu covid-19 em janeiro, disse que só vai tomar a vacina quando houver doses suficientes na Cidade do México. O país registrou oficialmente 2 milhões de casos de contágios pelo novo coronavírus e mais de 182 mil mortes, mas os números são considerados subestimados. / W.POST

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.