CRIS BOURONCLE / AFP
CRIS BOURONCLE / AFP

'Sem Fronteiras', a casa onde vivem 200 imigrantes venezuelanos em Lima

Empresário René Cobeña mantém imóvel de 200 metros quadrados em bairro humilde da capital peruana por onde já passaram 1.700 pessoas que fugiram do país em crise; mesmo sem apoio do governo, local oferece 3 refeições ao dia para todos que abriga

O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2018 | 20h11

LIMA - A venezuelana Katerin Lara mora em uma casa compartilhada com 200 imigrantes venezuelanos em um humilde bairro de Lima, onde precisa fazer fila para usar o banheiro ou lavar suas roupas, mas se sente sortuda. "Eu agradeço a Deus por ter chegado aqui", declarou a jovem de 24 anos, sentada na cama de baixo de um dos 40 beliches do local.

"Escolhi o Peru porque há mais possibilidades de trabalho se você for legalizado. Na Colômbia eles o ajudam, mas não há emprego", diz Lara, que está com sua filha de 6 anos há 20 dias neste albergue, aberto por um empresário peruano que viveu a dura experiência de ser imigrante no Japão e na Coreia do Sul nos anos 1990.

"Cheguei com meu filho, trabalhei como ajudante de cozinha, mas agora estou sem trabalho porque nos pedem documentos", diz María López, que era professora de uma universidade no Estado de Zulia

Três bebês nasceram neste imóvel de dois andares na rua Los Olmos, no populoso distrito de San Juan de Lurigancho, em Lima, e foram atendidos em um hospital público nas proximidades.

A casa de 200 metros quadrados, onde se escuta salsa ou música llanera durante todo o dia, foi alugada e colocada a serviço dos imigrantes venezuelanos pelo empresário têxtil René Cobeña.

"Somos como uma grande família", diz Cobeña, de 51 anos, casado e pai de dois filhos. "Batizei o albergue de 'Sem Fronteiras' porque a fome não tem bandeira", acrescenta.

Dois a três por cama

Um ano atrás, René Cobeña começou a ajudar oito imigrantes venezuelanos em uma casa alugada, que agora, convertida em abrigo, acolhe 200 pessoas, incluindo 30 crianças. Por ela já passaram 1.700 pessoas que fugiram da crise na Venezuela.

A casa, em cuja fachada foi pintada uma bandeira venezuelana, tem três quartos, dois banheiros, uma cozinha, uma sala de estar e um pátio com toldo. Como os 40 beliches não são suficientes, dezenas dormem em colchões no chão, mesmo no quintal.

"Aqui nós os colocamos juntos, antes dormia um por colchão, agora duas ou mais pessoas dormem em um", explica Cobeña, afirmando que sempre há espaço para receber um venezuelano. "Na verdade, todo dia chega um novo.

"Não cobramos um centavo por isso aqui. A única coisa que pedimos é colaboração na limpeza", diz o samaritano. Cobeña estabeleceu um regulamento, que proíbe fumar, beber álcool ou brigar, e estabelece uma estadia máxima de um mês.

A procura aumentou depois que o governo peruano anunciou há duas semanas que passaria a exigir passaporte aos venezuelanos, conta Mauricio Duque, que foi administrador e médico do albergue sem receber salário, depois de abandonar a carreira de medicina na Venezuela.

Os dois banheiros da casa já não são suficientes para todos seus hóspedes, o que obriga homens e mulheres a fazerem fila para usá-los. Também há turnos para lavar roupa em uma máquina comprada por Cobeña.

'Todo trabalho é digno'

Muitos imigrantes saem para ganhar a vida em todos os tipos de ofícios, formal ou informal.

A princípio, Cobeña lhes dava um prato de comida por dia, mas graças a doações de amigos, empresários e peruanos emigrados, agora lhes oferece café da manhã, almoço e jantar. O cardápio de sexta-feira foi carne cozida com arroz.

O cozinheiro é o venezuelano Brean Villegas, de 22 anos, que não liga para o apelo do presidente Nicolás Maduro para que os emigrantes parem de lavar banheiros e retornem à Venezuela

"Todo o trabalho é digno. O ruim seria roubar. Se houver uma oportunidade de lavar banheiros, eu faria isso", disse Villegas.

O empresário Cobeña, que não recebe apoio do governo ou de organizações privadas, acaba de pedir ajuda da agência de refugiados da ONU, mas manterá o abrigo mesmo que não consiga. "Vou estender minha mão (ao imigrantes) até quando eu puder", garante. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.