Sem ministro, Ahmadinejad controlará setor de petróleo do Irã

Titular da pasta foi demitido e agora presidente assumirá o cargo; outros dois ministros saíram

Agência Estado

16 de maio de 2011 | 16h40

LONDRES - O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse no domingo, 16, que será o guardião do Ministério do Petróleo, depois de dispensar o titular da pasta e fundi-la com o Ministério da Energia. O uso da palavra "guardião" sugere que a tarefa de Ahmadinejad no cargo pode ser apenas temporária.

 

A falta de clareza sobre quem ficará responsável pelo setor mais estratégico do Irã a longo prazo só aumenta os problemas já existentes, como as sanções e o programa de corte de subsídios para energia. Com o consenso do governo e do Parlamento sobre a fusão do Ministério do Petróleo, "por enquanto, sou o guardião do Ministério do Petróleo", disse Ahmadinejad no comentário televisionado publicado em seu site.

 

O ministro do Petróleo, Masoud Mirkazemi, visto como partidário do presidente, foi demitido neste fim de semana, assim como outros dois ministros importantes. "Uma vez que se decidiu diminuir o ministério, não é mais possível salvaguardar os interesses individuais, não importa o quão próximos de mim eles sejam ", disse Ahmadinejad. "Portanto, o interesse de indivíduos deve ser sacrificado pelo país, pela revolução e seus ideais. Talvez um funcionário esteja em seu posto hoje, mas pode não estar amanhã".

 

Também foram dispensados os ministros da Previdência Social, Sadeq Mahsouli, e da Indústria, Ali Akbar Mehrabian. Uma recente lei aprovada pelo Parlamento iraniano determina que Ahmadinejad diminua seu gabinete de 21 para 17 ministros.

 

A demissão do ministro do Petróleo desencadeou especulações sobre quem será o novo presidente da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), cargo que pertence hoje ao Irã. Nos comentários, Ahmadinejad disse: "A presidência do Irã na Opep é uma posição legal e não depende de um indivíduo. As coisas mencionadas por indivíduos são periféricas e sem importância".

 

Alguns funcionários do governo disseram anteriormente que o atual ministro da Energia, Majid Namjou, poderia tomar a frente da fusão ministerial. No entanto, legisladores disseram que teriam que aprovar a nomeação e que Namjou quase não conseguiu evitar um impeachment no Parlamento em março. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.