Joao Silva/NYT
Joao Silva/NYT

Sem trabalho, sem comida: pandemia aprofunda a fome global

Ondas implacáveis ​​do vírus, combinadas com crises causadas por conflitos e mudanças climáticas, deixaram dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo em situação precária

Christina Goldbaum / The New York Times, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2021 | 14h00

EAST LONDON, ÁFRICA DO SUL  - Quando milhares morreram e milhões perderam seus empregos com a chegada da pandemia de covid-19 na África do Sul, Thembakazi Stishi, uma mãe solteira, conseguiu alimentar sua família com o apoio constante de seu pai, um mecânico de uma fábrica da Mercedes.

Quando outra onda de covid-19 atingiu o país em janeiro, o pai de Stishi foi infectado e morreu em poucos dias. Ela procurou trabalho, indo de porta em porta oferecer limpeza por US$ 10 (aproxidamente RS$ 56) - sem sucesso. Pela primeira vez, ela e seus filhos vão para a cama com fome.

“Tento explicar que nossa situação é diferente agora, que ninguém está trabalhando, mas eles não entendem”, disse Stishi, de 30 anos, enquanto sua filha de 3 anos puxava sua camisa. “Essa é a parte mais difícil.”

A catástrofe econômica deflagrada pela covid-19, agora em seu segundo ano, atingiu milhões de pessoas como Stishi, que já vivia precariamente. Agora, na África do Sul e em muitos outros países, muitos mais foram empurrados para o abismo.

Estima-se que 270 milhões de pessoas enfrentarão escassez de alimentos com potencial de risco de vida este ano - em comparação com 150 milhões antes da pandemia - de acordo com análises do Programa Mundial de Alimentos, a agência de combate à fome das Nações Unidas. O número de pessoas à beira da fome saltou para 41 milhões de pessoas, contra 34 milhões no ano passado, mostrou a análise.

O Programa Mundial de Alimentos intensificou o alarme na semana passada ao publicar um relatório conjunto com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, alertando que “os conflitos, as repercussões econômicas da covid-19 e a crise climática devem levar a níveis mais altos de insegurança alimentar aguda em 23 focos de fome nos próximos quatro meses”. A crise deve atingir principalmente a África, mas também a América Central, o Afeganistão e a Coreia do Norte.

A situação é particularmente desoladora na África, onde surgiram novas infecções. Nos últimos meses, organizações de ajuda dispararam alarmes sobre a Etiópia - onde o número de pessoas afetadas pela fome é maior do que em qualquer lugar do mundo - e o sul de Madagascar, onde centenas de milhares estão próximas da fome após uma seca extraordinariamente severa.

Durante anos, a fome global tem aumentado constantemente, à medida que os países pobres enfrentam crises que vão de grupos armados à extrema pobreza. Ao mesmo tempo, as secas e inundações relacionadas ao clima se intensificaram, sobrecarregando a capacidade dos países afetados de responder antes que o próximo desastre aconteça.

Mas nos últimos dois anos, os choques econômicos da pandemia aceleraram a crise, de acordo com grupos humanitários. Em países ricos e pobres, filas de pessoas que perderam seus empregos se estendem do lado de fora das despensas de alimentos.

À medida que outra onda do vírus atinge o continente africano, o número de vítimas rasga a rede de segurança informal - notadamente a ajuda financeira de parentes, amigos e vizinhos - que muitas vezes sustenta os pobres do mundo na ausência de apoio governamental. Agora, a fome se tornou uma característica definidora do crescente abismo entre os países ricos que retornam à normalidade e as nações mais pobres afundando na crise.

“Nunca vi isso tão ruim globalmente como agora”, disse Amer Daoudi, diretor sênior de operações do Programa Mundial de Alimentos, descrevendo a situação da segurança alimentar. “Normalmente você tem duas, três, quatro crises - como conflitos, fome - ao mesmo tempo. Mas agora estamos falando sobre uma série de crises significativas acontecendo simultaneamente em todo o mundo. ”

Na África do Sul, normalmente uma das nações com maior segurança alimentar do continente, a fome atingiu todo o país.

Durante o ano passado, três ondas devastadoras do vírus levaram dezenas de milhares de chefes de família - deixando os membros remanescentes incapazes de comprar comida. O fechamento de escolas durante meses eliminou os almoços grátis que alimentavam cerca de nove milhões de alunos. Um bloqueio estrito do governo no ano passado fechou vendas informais de alimentos em municípios, forçando alguns dos residentes mais pobres do país a viajar para mais longe para comprar mantimentos e fazer compras em supermercados mais caros.

Estima-se que três milhões de sul-africanos perderam seus empregos e empurraram a taxa de desemprego para 32,6% - um recorde desde que o governo começou a coletar dados trimestrais em 2008. Nas áreas rurais do país, secas de anos mataram gado e prejudicaram a renda dos agricultores.

O governo sul-africano forneceu algum alívio, introduzindo estipêndios mensais de US$ 24 no ano passado e outros subsídios sociais. Ainda no final do ano, quase 40% de todos os sul-africanos foram afetados pela fome, de acordo com um estudo acadêmico.

Em Duncan Village, um extenso município na Província do Cabo Oriental, a linha de vida econômica de dezenas de milhares de famílias foi destruída.

Antes da pandemia, o mar laranja e verde-azulado de barracos de metal corrugado e casas de concreto zumbia todas as manhãs enquanto os trabalhadores embarcavam em microônibus com destino ao coração da vizinha East London. Um pólo industrial de montadoras, têxteis e alimentos processados, a cidade oferecia empregos e renda estáveis.

“Sempre tivemos o suficiente”, disse Anelisa Langeni, de 32 anos, sentada à mesa da cozinha da casa de dois quartos que ela dividia com seu pai e irmã gêmea em Duncan Village.

Por quase 40 anos, seu pai trabalhou como operador de máquina na fábrica da Mercedes-Benz. Quando se aposentou, ele economizou o suficiente para construir mais duas casas unifamiliares em suas unidades de aluguel de terreno que ele esperava que proporcionassem alguma estabilidade financeira para seus filhos.

A pandemia derrubou esses planos. Algumas semanas após o primeiro bloqueio, os inquilinos perderam seus empregos e não podiam mais pagar o aluguel. Quando a Langeni foi despedida de seu emprego de garçonete em uma marisqueira e sua irmã perdeu o emprego em uma pizzaria popular, elas se apoiaram na pensão mensal de US$ 120 do pai.

Então, em julho, ele desmaiou com tosse e febre e morreu com suspeita de covid-19 a caminho do hospital.

“Não consegui respirar quando me contaram”, disse Langeni. “Meu pai e tudo o que tínhamos, tudo se foi.”

Incapaz de encontrar trabalho, ela pediu ajuda a dois vizinhos mais velhos. Uma ofereceu uma refeição compartilhada de milho e repolho comprada com a pensão do marido. A outra vizinha ofereceu comida todas as semanas após a visita de sua filha - muitas vezes carregando sacolas de compras suficientes para encher a parte de trás de sua minivan cinza Honda.

Mas quando uma nova variante do coronavírus atingiu esta província em novembro, o marido da primeiro vizinha morreu - e sua pensão terminou. A filha da outra morreu do vírus um mês depois.

“Nunca imaginei que seria assim”, disse a vizinha, Bukelwa Tshingila, de 73 anos, enquanto enxugava o rosto encharcado de lágrimas. Em frente a ela, na cozinha, está um retrato de sua filha pendurado acima de um armário vazio.

Duas centenas de quilômetros a oeste, na região de Karoo, as taxas da pandemia foram exacerbadas por uma seca que se estende até seu oitavo ano, transformando uma paisagem antes exuberante com arbustos verdes em um cinza opaco e acinzentado.

Em sua fazenda de 2.400 acres no Karoo, Zolile Hanabe, de 70 anos, vê mais do que sua renda diminuindo. Como ele tinha cerca de 10 anos e seu pai foi forçado a vender as cabras da família pelo governo do apartheid, Hanabe estava determinado a ter uma fazenda própria.

Em 2011, quase 20 anos após o fim do apartheid, ele usou as economias do trabalho como diretor de uma escola para alugar uma fazenda, comprando cinco cabeças de gado e 10 cabras Boer, a mesma raça que seu pai criara. Eles pastavam nos arbustos e bebiam de um rio que cortava a propriedade.

“Eu pensei:‘ Esta fazenda é meu legado, é isso que vou passar para meus filhos ’”, disse ele.

Mas em 2019, ele ainda estava arrendando a fazenda e conforme a seca se intensificou, aquele rio secou, 11 bois de seu gado morreram, os arbustos murcharam. Ele comprou ração para manter os outros vivos, custando US $ 560 por mês.

A pandemia agravou seus problemas, disse ele. Para reduzir o risco de infecção, ele demitiu dois de seus três trabalhadores agrícolas. Os vendedores de rações também cortaram funcionários e aumentaram os preços, apertando ainda mais seu orçamento.

“Talvez eu pudesse sobreviver a uma dessas crises”, disse Hanabe. "Mas às duas?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.