Senado americano aprova corte de ajuda ao governo do Hamas

O Senado americano aprovou nesta sexta-feira o bloqueio de ajuda para o governo palestino e a proibição de contratos com o Hamas até que o grupo renuncie à violência e reconheça o Estado de Israel. A legislação, aprovada durante uma votação aberta, é similar a um projeto de lei que a Câmara dos Deputados aprovou em maio. Contudo, a medida sancionada nesta sexta-feira concede maior autoridade ao presidente George W.Bush sobre o uso de sanções e não é tão restritiva quanto ao corte de assistência para organizações não-governamentais que atuam na Cisjordânia e em Gaza. As diferenças entre as duas medidas têm de ser reconciliadas pela Câmara e pelo Senado antes que a legislação possa ser enviada ao presidente. O Departamento de Estado declarou estar preocupado com a medida aprovada pela Câmara que classifica as sanções como desnecessária e engessa a flexibilidade do presidente para usá-las.Projeto do Senado O projeto aprovado pelo Senado estabelece sanções ao governo liderado pelo Hamas, mas abre exceções para apoio ao presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, que está comprometido com a negociação para um Estado Palestino paralelo a Israel.A legislação aprovada pelo Senado também define a proibição de vistos para funcionários palestinos ligados ao Hamas e outras restrições de viagem. A lei também proíbe a instalação de um escritório da Autoridade Palestina nos Estados Unidos.A medida limita o envio de ajuda a organizações não-governamentais, mas vai além do projeto aprovado pela Câmara e abre exceções para itens de necessidade básica como água, comida, remédios, saneamento básico e educação. Além disso estabelece um fundo de "paz e reconciliação de US$ 20 milhões para promover as negociações de paz entre Israel e os palestinos". O Senador republicano Mitch McConnell, que elaborou o projeto de lei juntamente com o senador democrata Joseph Biden, disse que a medida é dirigida ao governo do Hamas e não é uma punição ao povo palestino.A administração Bush classifica o Hamas como uma organização terrorista. O governo americano já cortou ajuda à Autoridade Palestina, que está sob o controle do Hamas desde que o grupo extremista venceu as eleições legislativas em janeiro deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.