Senado americano aprova lei que permite homossexuais assumidos no exército

Por 63 votos a 51, os senadores derrubaram a proibição que provocou a demissão de 13 mil militares.

BBC Brasil, BBC

18 de dezembro de 2010 | 19h18

A política Don't ask, Don't tell era alvo de protestos nos Estados Unidos

O Senado americano aprovou uma lei histórica que permite que homossexuais sirvam nas Forças Armadas americanas revelando abertamente sua preferência sexual.

Senadores decidiram por 63 votos a 51 anular a lei de 1993 que instituiu a política conhecida como Don't ask, Don't tell.

Segundo a política, os homossexuais são admitidos nas Forças Armadas, mas podem ser expulsos se revelarem abertamente sua opção sexual.

No início do sábado, a Câmara dos Representantes aprovou o documento que pedia a mudança. O presidente Barack Obama deve transformá-lo em lei.

Opositores da proposta dizem que a mudança vai prejudicar a moral das tropas em tempos de guerra.

Mais de 13 mil oficiais do exército foram demitidos por causa da lei, que foi aprovada durante o governo de Bill Clinton.

Na votação deste sábado, senadores republicanos moderados se juntaram aos democratas a favor da mudança na lei.

Patriotas

O correspondente da BBC em Washington Iain Mackenzie disse que a votação foi uma grande vitória para Obama, que havia transformado a anulação da Don't ask, Don't tell um de seus principais objetivos desde que assumiu a presidência, em 2009.

Obama disse que acabar com a proibição significaria que "milhares de patriotas americanos" não serão forçados a deixar o serviço militar "porque coincidentemente são homossexuais".

A anulação terá efeito em um período de 60 dias, para que o Departamento de Defesa decida como implantará a nova política.

No início do mês, um relatório do Pentágono disse que permitir que soldados fossem abertamente homossexuais teria pouco impacto na coesão das forças americanas lutando no Iraque e no Afeganistão. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.