Sandy Huffaker/The New York Times
Sandy Huffaker/The New York Times

Senado americano quer investigar casos de abuso contra imigrantes

Parlamentares cobram que governo apure denúncias de abuso sexual, físico e psicológico cometido contra imigrantes em centros de detenção federais

O Estado de S.Paulo

31 Julho 2018 | 01h31

WASHINGTON - As lideranças dos partidos republicano e democrata na Comissão de Assuntos Judiciais do Senado americano cobraram nessa segunda-feira, 30, uma investigação sobre as denúncias de abuso sexual, físico e psicológico contra imigrantes em centros de detenção do governo. Os senadores afirmam que os crimes ocorrem há anos.

O pedido de investigação, apresentado pelo republicano Chuck Grassley e pela democrata Dianne Feinstein, se soma à lista de problemas relacionados à imigração que cercam a Casa Branca. Nos últimos meses, o governo Trump foi fortemente criticado pelos dois partidos devido a política de tolerância zero, que separou pais e crianças que chegaram aos Estados Unidos de forma ilegal

"Essas acusações de abuso são extremamente perturbadoras e devem ser investigadas", disseram os senadores, em pedido apresentado no Senado. O documento relata um "padrão prolongado" de abusos, revelado a partir de reportagens publicadas nos últimos anos por veículos de imprensa americanos.

No mês passado, a agência de notícias Associated Press relatou que um grupo de crianças apreendidas em um centro de detenção migratória em Virginia foram agredidas enquanto estavam algemadas, além de terem sido mantidas em solitárias e deixadas nuas em celas frias de concreto. 

"Não é um tema partidário, visto que vários relatórios indicam que [os abusos] podem ter ocorrido durante anos. As crianças e as famílias de imigrantes que se encontram sob custódia federal merecem ser tratadas com dignidade humana e respeito, e jamais estar sujeitas a essa forma de abuso", afirmaram os senadores.

Os parlamentares exigem que o Departamento de Segurança Nacional e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos investiguem as denúncias de abuso e divulguem todas as pesquisas e documentos relacionados aos casos. Também foi cobrado que os órgãos avaliem as "políticas e procedimentos" previstos para prevenir maus-tratos em centros de detenção.

Nesta terça-feira, 31, a Comissão de Assuntos Judiciais realiza audiência sobre a decisão da Casa Branca de separar filhos de imigrantes ilegais detidos no país. Apesar do governo ter suspendido a política de tolerância zero e feito um esforço para reagrupar as famílias, 711 crianças continuam em abrigos - deste número, 431 tiveram os pais deportados, o que dificultará, se for possível, o reencontro entre eles. //ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.