Chip Somodevilla/Getty Images/AFP
Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

Senado americano recebe relatório do FBI sobre o passado de juiz indicado à Suprema Corte

Legisladores terão um dia para assimilar conteúdo do documento e decidir como votarão; para Casa Branca, relatório contará a favor da confirmação

O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2018 | 12h05

WASHINGTON - A Casa Branca enviou ao Senado nesta quinta-feira, 4, o novo relatório sobre o passado do indicado à Suprema Corte, Brett Kavanaugh, dando aos legisladores um dia para que possam assimilar o conteúdo confidencial da investigação realizada pelo FBI e, em seguida, tomar uma decisão para a sessão de votação sobre sua nomeação, na sexta-feira.

No entanto, antes que o FBI entregasse os resumos das entrevistas realizadas sobre as acusações de que Kavanaugh teria abusado sexualmente de mulheres, o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, definiu seu voto a favor do juiz. A Casa está polarizada, já que a confirmação de Kavanaugh pode definir o futuro do principal tribunal do país pelos próximos anos.

Atualmente, os republicanos detêm a maioria do Senado, com 51 assentos contra 49 dos democratas. Mas cinco senadores ainda estão indecisos quanto à confirmação da escolha de Kavanaugh, incluindo três republicanos, e seu posicionamento parece depender muito do conteúdo do relatório entregue nesta quinta.

"Haverá tempo de sobra para os membros (do Senado) revisarem e se informarem" antes do voto na sexta-feira, disse McConnell. O presidente da Comissão de Justiça no Senado, Chuck Grassley, usou o Twitter para confirmar o recebimento do relatório. "O arquivo suplementar do FBI sobre o juiz Kavanaugh foi recebido", disse.

Para a Casa Branca, o documento contará a favor da confirmação. "Com essa informação adicional, a Casa Branca está totalmente confiante de que o Senado votará para confirmar o juiz Kavanaugh para a Suprema Corte", declarou o porta-voz Raj Shah.

Os legisladores devem começar a ler o relatório nesta manhã. Apenas senadores e um número pequeno de assistentes terão acesso ao documento, mantido em sala segura no complexo do Capitólio. O conteúdo do arquivo não deve ser divulgado.

A entrega do relatório ocorreu sob um ambiente de tensão, com manifestantes protestando contra a confirmação e repórteres aglomerados na entrada do Congresso. Membros da Polícia do Capitólio mantinham a multidão afastada dos senadores, que chegaram a ser assediados e perseguidos por alguns ativistas.

Em meio às reclamações de que alguns legisladores estavam sendo confrontados fora de casa, McConnel afirmou no plenário que os manifestantes eram "parte de um esforço organizado" para atrapalhar a confirmação de Kavanaugh, acrescentando que as manifestações não produzirão resultado. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.