Senado americano rechaça emenda contra casamento gay

O Senado dos Estados Unidos rechaçou nesta quarta-feira uma emenda constitucional cujo objetivo era proibir o matrimônio entre homossexuais. Porém, os republicanos não desistiram de seu propósito e levaram a proposta à Casa de Representantes (deputados).O apoio "enérgico" do presidente George W. Bush não foi o suficiente para levar a diante a proposta. Embora a maioria dos senadores tenham apoiado a emenda, os 49 votos a favor da proibição do matrimônio entre pessoas do mesmo sexo ficaram 11 sufrágios abaixo dos 60 requeridos para proceder uma votação final sobre a emenda.Em 2004, uma iniciativa similar foi rejeitada pelo Congresso. A diferença foi que na votação desta quarta-feira os republicanos perderam posição, já que tiveram um voto a menos do que na última seção, quando o resultado foi 50 a 48. Desta vez, o senador republicano pelo estado de New Hampshire, Judd Gregg, votou contra a emenda. Em 2004, votou a favor. Além disso, a ausência de um legislador republicano, que estava em viagem com o Bush, também representou um voto a favor a menos.De olho nas eleiçõesApesar de tudo, alguns republicanos parecem estar satisfeitos com esta votação. Segundo analistas, ela servirá para estimular o eleitorado mais conservador nas eleições legislativas de novembro, quando se renova parte do Congresso."Estamos construindo votos. Isto é o que falta para alcançar a maioria de dois terços", disse o senador republicano pela Luisiana, David Vitter, para resumir o sentimento de muitos legisladores que votaram a favor da emenda.Para que esta reforma constitucional entre em vigor, é necessário o apoio de dois terços do Senado e da Casa dos Representantes, além de ter que ser ratificada por pelo menos 38 dos 50 estados.Ainda assim, os republicanos estão decididos a não abrir mão deste assunto que lhes pode render alguns votos, especialmente agora que tanto Bush como seu partido estão com baixos índices de popularidade.O líder da maioria na Casa dos Representantes, John Boehner, de Ohio, anunciou sua intenção de levar a emenda a votação nesta instância no próximo mês.DivisõesDurante o debate no Senado, republicanos criticaram "ativistas" e juízes que, segundo eles, manipulam as leis segundo suas crenças.O senador democrata Patrick Leahy divulgou um comunicado dizendo que este debate pretende dividir a sociedade e fazer com que os cidadãos se esqueçam "dos problemas que os assediam, desde os altos preços da gasolina, passando pela segurança nacional e as políticas fiscais".Atualmente, somente o estado de Massachusetts permite o casamento entre homossexuais, enquanto que os estados de Vermont e Connecticut celebram a união civil e outros estados oferecem apenas algum tipo de reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo.Desde a aprovação da Constituição americana, em 1789, foram aprovadas somente 27 emendas. A última foi em 1992, sobre o salário dos congressistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.