Senado americano rejeita novas restrições a bombas de fragmentação

O Senado dos Estados Unidos rejeitou nesta quarta-feira uma iniciativa da oposição democrata para impedir que o Pentágono use bombas de fragmentação perto de alvos civis. Além disso, os parlamentares pediram a proibição da venda de tais artefatos a compradores que não sigam tais regras.Por 70 votos a 30, o Senado derrubou uma emenda ao orçamento do Pentágono que impediria o uso de bombas de fragmentação perto de áreas povoadas.A votação ocorreu semanas depois de o Departamento de Estado americano ter anunciado que abriria uma investigação para apurar se Israel fez uso irregular de bombas de fragmentação vendidas pelos EUA em ataques a áreas civis do Líbano.Bombas de fragmentação e outros artefatos não detonados continuam causando vítimas no Líbano quase um mês depois de um cessar-fogo imposto pela Organização das Nações Unidas (ONU) ter paralisado o conflito entre Israel e o grupo guerrilheiro pró-iraniano Hezbollah."Civis inocentes, e não combatentes inimigos, têm sido as principais vítimas das bombas de fragmentação", denunciou o senador democrata Patrick Leahy durante um debate."A experiência no Líbano é apenas o mais recente exemplo do assustador número de mortos e feridos causados pelas bombas de fragmentação. Leis mais rigorosas para engajamento em combate fazem-se necessárias há tempos", prosseguiu.Mas o senador republicano Ted Stevens defendeu o uso da munição. Segundo ele, se as restrições fossem aprovadas, elas restringiriam "a capacidade do Exército de usar tais munições em defesa de nosso povo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.