Senado americano rejeita proposta de retirada do Iraque

O senado americano, controlado pelos republicanos, rejeitou por uma grande maioria de votos o pedido do partido Democrata para início da retirada de tropas americanas no Iraque no fim do ano. A decisão acontece em um momento em que os dois partidos procuram definir suas posições eleitorais sobre uma guerra que está se tornando cada vez mais impopular.O Senado rejeitou, por uma votação de 86 a 13, a proposta democrata que estabelecia a retirada de todos os soldados do Iraque até julho de 2007, começando no final deste ano."A retirada não é uma opção. Render-se não é uma solução", declarou o líder da maioria republicana no Senado, Bill Frist. O senador caracterizou os democratas como derrotistas que querem abandonar o Iraque antes que a missão do Exército seja cumprida.Em resposta, o líder democrata no Senado, Harry Reid, classificou os líderes republicanos como seguidores cegos da estratégia "fracassada do presidente Bush de manter o curso".Retirada sem prazoMinutos depois, o Senado rejeitou por 60 votos a 39 a proposta mais popular entre os democratas: uma resolução não obrigatória que estabelece o começo da retirada das tropas, mas sem um prazo para o fim da guerra.A votação ocorreu uma semana depois de o Congresso rejeitar o prazo de retirada para os 127 mil soldados americanos no Iraque e que as pesquisas de opinião mostram que os eleitores estão fatigados da guerra em seu quarto ano.Republicanos argumentam que os Estados Unidos devem se manter firmes para ajudar o novo governo iraquiano, enquanto os democratas exigem que a administração Bush deixe claro que as Forças americanas não estarão no Iraque para sempre."Devemos mostrar apoio e não enviar um sinal de que podemos puxar seu tapete", disse o senador republicano John Warner.Contudo, o senador democrata Russ Feingold afirmou que "é hora de mostrar aos iraquianos que fizemos o que podíamos militarmente".Administração Bush A administração Bush afirma que as tropas americanas ficarão no Iraque até que as forças de segurança iraquianas possam defender o país contra a insurgência, que aumentou depois da invasão em 2003.Republicanos se opõem a qualquer prazo de retirada. Eles afirmam que um retorno prematuro das tropas e um pronunciamento de tal plano poderia gerar uma guerra civil, aumento do terrorismo, ameaça à segurança americana e ao governo iraquiano que tenta se estabilizar.Em resposta, quase todos os democratas criticam o partido Republicano por seguir o caminho de Bush a quem acusam de falhar em articular um plano para o futuro das tropas no Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.