Senado aprova projeto de reforma política na Argentina

O Senado argentino aprovou ontem um projeto importante de reforma política que institui eleições primárias obrigatórias para todas as siglas definirem seus candidatos à Presidência, à Câmara e ao Senado. O voto nas primárias é obrigatório para todos os eleitores cadastrados no país. O projeto também torna o Estado o único financiador de campanhas. A reforma política tinha sido aprovada na Câmara no dia 18 de novembro.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

03 de dezembro de 2009 | 00h15

O projeto foi apresentado pela presidente Cristina Kirchner como o último de uma série de importantes reformas legislativas que ela tentou aprovar até 10 de dezembro, quando assumem os parlamentares eleitos em 28 de junho. A coalizão de Cristina - o Frente para a Vitória - perdeu a maioria no Congresso nas eleições parlamentares e o governo correu contra o relógio para aprovar as reformas antes de enfrentar um parlamento menos complacente.

Os críticos alegam que o projeto de reforma política se destina a melhorar as chances do ex-presidente Nestor Kirchner de voltar à presidência em 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinareforma política

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.