AFP PHOTO / MARTIN BERNETTI
AFP PHOTO / MARTIN BERNETTI

Senado do Chile aprova lei que descriminaliza aborto em casos específicos

Ação foi legalizada quando há risco para a vida da mãe, por inviabilidade do feto e por estupro

O Estado de S.Paulo

19 Julho 2017 | 03h53
Atualizado 19 Julho 2017 | 13h30

SANTIAGO - O Senado do Chile descriminalizou o aborto em casos de risco para a vida da mãe, por inviabilidade do feto e por estupro, em uma sessão que se estendeu até a madrugada desta quarta-feira, 19.

Os legisladores descriminalizaram ação em caso de risco para a vida da mãe por 20 votos a favor e 14 contra; inviabilidade do feto por 19 a 14; e em casos de estupro por 18 a 16.

Senadores do bloco opositor de direita “Chile Vamos” anunciaram que irão recorrer ao Tribunal Constitucional para demonstrar que o projeto viola a Constituição, uma tática que já culminou em resultados favoráveis em casos anteriores.

Antes que se transforme em lei, a proposta da presidente Michelle Bachelet precisa ser aprovada nesta quarta-feira pelos deputados, que devem votar as modificações introduzidas pelo Senado.

Se a votação não seguir adiante, o texto passará por uma comissão mista de deputados e senadores. / ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.