Senado colombiano rejeita projeto sobre direito dos gays

O Senado da Colômbia rejeitou, por 55 votos a 32, um projeto de lei que estenderia os direitos patrimoniais da família a casais formados por pessoas do mesmo sexo. Uma maioria de conservadores, liberais e independentes barrou a iniciativa promovida pela vice-presidente do Partido Liberal, senadora Piedad Córdoba, que contava com o apoio de setores de esquerda e, inclusive, de três ex-presidentes do país.O senador Jorge Enrique Robledo, que apóia a idéia, explicou que não se trata de reconhecer o matrimônio entre os homossexuais, mas sim de outorgar-lhes o direito a desfrutar dos serviços de saúde e, no caso de morte de um dos companheiros, o direito à pensão e herança.Mesmo sem a aprovação do projeto, os casais formados por pessoas do mesmo sexo na Colômbia têm o direito patrimonial depois de dois anos de união.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.