The Washington Post / Timothy C. Wright
The Washington Post / Timothy C. Wright

Senado da Flórida rejeita proposta de proibir fuzis e vota para armar professores

Projeto aumenta a idade mínima para comprar fuzil de 18 para 21 anos e proíbe o uso, venda ou posse do dispositivo ‘bump stock’, que transforma armas semiautomáticas em automáticas

O Estado de S.Paulo

04 Março 2018 | 17h47

FORT LAUDERDALE, EUA - O Senado da Flórida rejeitou uma proposta para proibir armas de assalto e votou a favor de uma medida para armar certos professores, semanas após 17 pessoas terem sido mortas no ataque mais letal em uma escola de Ensino Médio na história dos EUA.

+ Trump recuou de proposta para restringir venda de armas, diz NRA

+ Gigantes do varejo restringem venda de armas nos EUA

Uma emenda que teria proibido as armas de assalto, incluída em um projeto maior, fracassou em uma votação amplamente partidária, em resposta ao massacre de 14 estudantes e 3 funcionários no dia 14 de fevereiro no Colégio Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, subúrbio de Fort Lauderdale.

+ Trump pede ao Congresso legislação abrangente sobre armas após ataque na Flórida

+ Sobreviventes de ataque a tiros pedem boicote de turistas à Flórida

O placar foi de 21 votos contra e 17 a favor da proibição de armas de assalto, com 2 republicanos se juntando aos 15 democratas do Senado em apoio à proposta, noticiou o jornal Miami Herald.

O projeto completo, chamado Ato de Segurança Pública Colégio Marjory Stoneman Douglas, deve passar pelo Senado estadual na terça-feira e então seguir para a Câmara dos Deputados da Flórida.

A proposta aumenta a idade mínima para comprar um fuzil de 18 para 21 anos e proíbe o uso, venda ou posse do dispositivo “bump stock”, que transforma armas semiautomáticas em automáticas. O projeto inclui US$ 400 milhões em financiamento para escolas lidarem com questões de saúde mental, informou o Miami Herald.

Após o Senado ter rejeitado a proibição, Jaclyn Corin, estudante da Stoneman Douglas, disse: “Partiu meu coração, mas nós não deixaremos isto arruinar nosso movimento. Isto é para as crianças”. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.