EFE/EPA/CLAUDIO PERI
EFE/EPA/CLAUDIO PERI

Senado da Itália autoriza processo contra Salvini por reter navio com imigrantes

A proibição de Salvini, que à época era ministro do Interior, fez com que os imigrantes ficassem no navio por mais de três dias, até que o governo italiano conseguisse fechar um acordo para que outros países europeus acolhessem os viajantes

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2020 | 15h50

ROMA - O Senado da Itália autorizou nesta quarta-feira, 12, que o líder da Liga Norte e ex-ministro do Interior, Matteo Salvini, seja processado pelo caso envolvendo o navio de resgate de imigrantes Gregoretti. 

O Senado votou um pedido do Tribunal de Ministros de Catânia para processar Salvini por sequestro por ter impedido o desembarque de 131 imigrantes que tinham sido resgatados em julho de 2019 pela embarcação, a qual pertence à Guarda Costeira da Itália.    

A proibição de Salvini, que à época era ministro do Interior, fez com que os imigrantes ficassem no navio por mais de três dias, até que o governo italiano conseguisse fechar um acordo para que outros países da União Europeia (UE) acolhessem parte dos viajantes.    

Atualmente, Salvini é senador e tem foro privilegiado. O plenário acolheu o pedido para autorizar o processo e rejeitou uma ordem apresentada ontem pelos partidos Força Itália e Irmãos da Itália, que tentavam impedir o prosseguimento. 

A Liga Norte não participou da sessão e abandonou a sala. "Eu defendi a Itália e ser processado por isso...Mas tenho plena e total confiança na justiça", disse Salvini à agência Ansa, logo após a votação no Senado. O senador e líder da Liga insiste que quer ser processado e que está pronto para "ir para prisão". 

"Estou absolutamente tranquilo e orgulhoso do que fiz. E faria novamente se voltasse ao governo. Foi surreal me defender no Senado. Eu jurei sobre a Constituição, que prevê que defender a pátria deve ser um dever de todo cidadão. E eu defendi a Itália", ressaltou.    

Os senadores do Movimento 5 Estrelas (M5S), legenda que formava o governo italiano com a Liga Norte na época do episódio, disseram hoje que a "defesa do país e das fronteiras nacionais é coisa séria". "De qual ameaça (Salvini) defendeu o país? De um navio militar italiano? De um grupo de náufragos desesperados? Se não fosse trágico, seria cômico", disseram os parlamentares, em um comunicado oficial. 

A tramitação é idêntica à do caso do navio Diciotti, quando Salvini foi denunciado por sequestro ao ter bloqueado uma embarcação da Guarda Costeira que havia socorrido 177 migrantes no Mediterrâneo. Na ocasião, Salvini escapou do processo graças aos votos do M5S./Ansa

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.