Senado do Afeganistão aprova acordo que prolonga presença dos EUA no país

Medida contou com o voto de 53 dos 60 parlamentares presentes, após cerca de três horas de discussões a portas fechadas

O Estado de S. Paulo

27 Novembro 2014 | 12h54

CABUL -O Senado do Afeganistão aprovou nesta quinta-feira o acordo de segurança com os Estados Unidos que prolonga a presença de tropas americanas no país asiático até 2024, informaram à agência Efe fontes parlamentares.

A aprovação por parte da Câmara Alta, após no domingo a medida receber sinal verde da Câmara dos Deputados, completa o tramite necessário para que o presidente do país, Ashraf Gani, referende o acordo.

A medida contou com o voto de 53 dos 60 parlamentares presentes (o Senado é composto por 120 legisladores), após cerca de três horas de discussões a portas fechadas.

O porta-voz adjunto da câmara alta, Rafiullah Gul Afghan, disse que os senadores eram conscientes "da necessidade de aprovar o acordo antes da Conferência de Londres, onde a comunidade internacional discutirá importantes questões sobre o Afeganistão".

O Afeganistão espera obter na reunião que será realizada em Londres em 3 e 4 de dezembro um aumento da ajuda técnica e financeira internacional destinadas às Forças de Segurança para combater a insurgência.

Embora o convênio entre Afeganistão e Estados Unidos tenha sido assinado em 30 de setembro, um dia após a posse do novo governo afegão, a discussão só chegou ao parlamento há duas semanas.

O Acordo Bilateral de Segurança (BSA, na sigla em inglês) prevê que 9.800 militares americanos permaneçam em solo afegão quando em dezembro de 2014 terminar a missão da Otan no país (Isaf). O objetivo é fornecer assessoria e equipamentos para as forças de segurança afegãs até o fim de 2024.

O convênio engloba também um Acordo sobre o Status das Forças de Segurança (Sofa, na sigla em inglês), segundo o qual entre três e quatro mil militares de outros países da Otan poderão seguir no Afeganistão a partir de 2015, embora não em operações de combate contra a insurgência.

O Afeganistão atravessa um de seus períodos mais violentos, após no ano passado as forças afegãs se tornarem responsáveis pela segurança no país conforme a retirada paulatina da Isaf, cuja missão começou em 2001 após a invasão dos EUA, que derrubou o regime Taleban.

Um ataque suicida contra um veículo da embaixada do Reino Unido deixou hoje em Cabul cinco pessoas mortas, entre elas um britânico, e 33 feridas. / EFE

 

Mais conteúdo sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.