Luis Robayo/AFP
Luis Robayo/AFP

Senado do Paraguai destitui Lugo com 39 votos

Cerca de cinco mil pessoas protestam em frente ao Congresso do Paraguai

AE, Agência Estado

22 de junho de 2012 | 18h50

ASSUNÇÃO - O Senado paraguaio cassou nesta sexta-feira, 22, o mandato do presidente Fernando Lugo, após negar um pedido do mandatário, que solicitou 18 dias para a preparação dos argumentos de defesa do julgamento político iniciado na manhã de hoje, por suposto mau desempenho de suas funções. Cerca de cinco mil manifestantes protestavam em frente ao Congresso do Paraguai contra a votação do impeachment de Lugo. O Senado aprovou a validade das cinco acusações contra Lugo, com 39 votos a favor e apenas quatro contra. Os advogados do mandatário se retiraram do plenário, irritados com o voto. O vice-presidente Federico Franco assumirá a presidência do Paraguai até as eleições, que acontecerão em nove meses.

Veja também:

link Manifestantes e polícia entram em confronto após destituição de Lugo

link Com impeachment de Lugo, Paraguai perde participação no Mercosul

blog Veja como foi minuto a minuto o julgamento

A acusação apresentada contra Lugo tem cinco pontos: a matança de 17 pessoas (11 camponeses sem-terra e seis policiais) no confronto de Curuguaty, que aconteceu na primeira metade de junho; a crise dos camponeses sem-terra do Paraguai no departamento (Estado) de Ñacunday; a insegurança no Paraguai; o uso dos quartéis das Forças Armadas para atividades políticas; e a assinatura do protocolo de Ushuaia II, que permite à União de Nações Sul-americanas (Unasul) intervir no Paraguai em caso de risco para a democracia.

Logo após a votação no Senado, ocorreram confrontos entre os manifestantes e a polícia na Praça de Armas, centro da capital paraguaia onde fica o Congresso.

De acordo com Nadia Cano, jornalista do La Nación do Paraguai, manifestantes ameaçam invadir o Senado com o anúncio do impeachment. Cano contou que circularam boatos de que Lugo teria pedido asilio político, mas a informação não foi confirmada.

Impeachment

Lugo foi o quarto presidente paraguaio a enfrentar um processo de impeachment. Os outros três foram: José P. Guggiari, em 1928, Raul Cubas, 1999 e Luiz Gonzalez Macchi, em 2003.

Unasul

Os países da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) classificaram o provável impeachment "de ruptura ou ameaça de ruptura da ordem democrática" e haviam afirmado que uma cláusula democrática do bloco seria quebrada com o impeachment de Lugo. Portanto, existe a possibilidade de se impor sanções ao Paraguai, inclusive o fechamento das fronteiras. 

Com informações são da Associated Press e da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.